MEC define nova avaliação de ensino básico em 15 dias

O ministro da Educação, Tarso Genro, almoçava com empresários em São Paulo nesta sexta-feira quando o celular tocou. A vitela e o risoto tiveram de esperar e Tarso saiu da mesa para atender o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. ?Ele queria saber em quanto tempo eu teria pronto o novo projeto de avaliação do ensino básico?, contou depois à platéia.Ao ?chefe?, o ministro respondeu que o projeto será finalizado em 15 dias. Depois, à imprensa, tentou explicar uma idéia ainda indefinida. ?Queremos um processo de avaliação para todos os alunos, incluindo ainda avaliação dos professores e da própria comunidade com relação à escola.?Ampliar o SaebA intenção inicial é de ampliar o Sistema Nacional de Avalição da Educação Básica (Saeb), exame realizado atualmente pelo MEC a cada dois anos com os alunos da 4.ª e 8.ª séries e 3.º ano do ensino médio. Lula, no entanto, declarou na quarta-feira que gostaria que os estudantes fossem avaliados a cada seis meses para saber ?se as crianças estão aprendendo de verdade?.Tarso se atrapalhou e não soube responder se o exame passaria mesmo a funcionar semestralmente. O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Eliezer Pacheco, responsável pelas avaliações no MEC, explicou que os alunos seriam avaliados anualmente.Segundo ele, as avaliações de professores ? por meio de titulação e formação ? e a participação dos pais ? respodendo a formulários sobre a escola ? poderiam ser intercaladas com os exames dos estudantes. ?Aí, sim, teríamos avaliações semestrais do ensino básico.?Exame universalOutra idéia do MEC, adiantada pelo Estado há duas semanas e confirmada agora pelo ministro é a de tornar o Saeb um exame universal. Hoje ele é feito por amostragem e tem revelado números assutadores como o de que 60% das crianças que terminam a 4.ª série não sabem ler corretamente.O MEC pretende ter o apoio de secretários municipais e estaduais para que exames regionais feitos de maneira semelhante ao Saeb para que seus resultados possam se complementar. Para Tarso a implementação do novo sistema deve custar cerca de R$ 60 milhões. São gastos hoje com o Saeb R$ 7 milhões.No último ano, foram avaliados 300 mil alunos de 6.300 escolas. ?Se não tornarmos prioridade o choque de qualidade no ensino básico agora, todo o esforço feito até hoje terá sido perdido?, concluiu o ministro. O governo Fernando Henrique Cardoso conseguiu atingir a meta de colocar 97% das crianças de 7 a 14 anos nas escolas.

Agencia Estado,

02 de abril de 2004 | 19h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.