MEC adia regra que diminuiria em até 35% número de escolas com Ideb

Nova regra do Plano Nacional de Educação previa que só escolas que tivessem participação de mais de 80% dos alunos teriam o resultado do índice divulgado; Ideb mede desempenho de estudantes e repetência

O Estado de S.Paulo

27 Julho 2016 | 15h36

SÃO PAULO - O Ministério da Educação vai adiar a aplicação de um dispositivo que diminuiria em até 35% o total de escolas que disponibilizam dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2015. 

O Ideb é divulgado de dois em dois anos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais (Inep) e mede o desempenho dos estudantes em português e matemática,  usando os resultados da Prova Brasil. Calcula também os índices de repetência das unidades. A avaliação é realizada por estudantes do 5º e do 9º ano de maneira censitária, além de alunos do ensino médio (amostral). A informação foi divulgada pelo jornal Folha de São Paulo. 

Uma nova regra do Plano Nacional de Educação, sancionado pela presidente Dilma Rousseff em 2014, previa que só as escolas que tivessem participação de mais de 80% dos alunos matriculados poderiam ter seus resultados divulgados. 

À Folha, a presidente do Inep, Maria Inês Fini, afirmou que o critério valerá a partir da próxima edição do índice. De acordo com ela, a nova regra não foi suficientemente divulgada nas escolas. Segundo a publicação, caso a regra tivesse sido adotada no Ideb de 2013, 11 mil escolas do 9º ano não teriam os dados divulgados, uma redução de 35% em relação às 32 mil unidades com nota. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.