SERGIO CASTRO/ESTADÃO
SERGIO CASTRO/ESTADÃO

MEC adia para julho abertura das inscrições do Sisu do 2º semestre de 2020

Prazo estava previsto para ocorrer entre esta terça e sexta-feira e falta de informações chegou a irritar os estudantes

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2020 | 13h45
Atualizado 18 de junho de 2020 | 10h02

SÃO PAULO - O Ministério da Educação (MEC) alterou o prazo das inscrições para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do segundo semestre de 2020 para os dias 7 a 10 de julho. Em maio, o MEC disse que prazo começaria nesta terça-feira, 16, e iria até a próxima sexta-feira, 19.

O Sisu é o sistema online em que instituições públicas de ensino superior oferecem vagas para quem fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Nesta terça, no início da manhã, antes de terem conhecimento da nova data, estudantes demonstraram indignação nas redes sociais diante da não abertura das inscrições. 

A União Nacional dos Estudantes (UNE) também cobrou um posicionamento do MEC sobre a abertura das vagas. A pasta informou que o edital com o novo prazo foi publicado nesta quarta-feira, 17, no Diário Oficial da União. Segundo o MEC, a mudança ocorreu por causa da suspensão de algumas atividades acadêmicas e administrativas nas universidades, ocorridas em consequência da pandemia do novo coronavírus.

“Até o momento, mais de 51 mil vagas foram ofertadas por 57 instituições públicas. O número pode aumentar. Nesta edição, haverá a novidade da oferta de vagas em cursos a distância”, informou, em nota, o ministério. A consulta dos estudantes às vagas disponíveis no Sisu poderá ser feita a partir do dia 30 de junho.

Só no processo seletivo do primeiro semestre deste ano houve 1,8 milhão inscritos para 237 mil vagas. O Sisu do primeiro semestre do ano foi marcado por uma série de falhas. Segundo os relatos, estudantes que fizeram apenas uma opção de curso e não conseguiram a vaga na chamada regular não estavam conseguindo participar da lista de espera. O adiamento da abertura das inscrições do Sisu do segundo semestre ocorre no momento em que o presidente Jair Bolsonaro discute uma saída para o ministro da Educação, Abraham Weintraub, deixar o governo de forma menos traumática. 

Também foi alterada a data de inscrição do Programa Universidade Para Todos (Prouni), que passou para o dia 14 de julho, e do Financiamento Estudantil (Fies), postergada para 21 a 24 de julho. A realização do Enem também foi adiada pelo MEC, em maio, após pressão de estudantes, secretários de Educação e entidades. A prova estava marcada anteriormente para os dias 1.º e 8 de novembro. 

O argumento para adiar o exame foi o de que a pandemia do novo coronavírus provocou defasagem na aprendizagem de estudantes, principalmente os de escolas públicas. Com a suspensão das atividades nas escolas, parte dos alunos deixou de acompanhar as aulas. As novas datas para o Enem ainda não estão definidas, mas o MEC pretende lançar uma enquete com os estudantes que se inscreveram para realizar o exame. Há a possibilidade de que a prova seja realizada só no ano que vem. 

No início da manhã de terça-feira, antes de terem conhecimento da nova data, estudantes demonstraram indignação nas redes sociais diante da não abertura das inscrições. Na página da instituição não havia nenhuma informação, apenas dados referentes ao último processo seletivo.

A União Nacional dos Estudantes (UNE) também cobrou um posicionamento do Ministério da Educação. 

O adiamento da abertura das inscrições do Sisu do segundo semestre de 2020 acontece no momento em que o presidente Jair Bolsonaro discute uma saída para o ministro da Educação, Abraham Weintraub, deixar o governo de forma menos traumática

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.