MEC abre vagas para contratação em universidades

Portaria do ministro da Educação, Fernando Haddad, publicada no Diário Oficial da União, distribui, entre 40 instituições federais de ensino superior, 1.075 vagas para contratação, por concurso público, de servidores técnico-administrativos. Destas vagas, 600 serão preenchidas em 2006 e 475, em 2007. O programa prevê a criação de unidades e de campi, e sua implantação e consolidação. A Portaria do MEC nº 975/2006 concretiza os concursos autorizados pelo Ministério do Planejamento, em 27 de abril. Entre as instituições que receberam maior número de vagas se destaca a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp/SP) com 58 vagas, das quais 35 para 2006 e 23, para 2007. As vagas são para os campi de Diadema, Santos e Guarulhos. A Universidade Federal do Piauí (UFPI) tem 50 vagas, das quais 27 para 2006 e 23, para 2007, destinadas aos campi de Picos, Parnaíba e Bom Jesus. A Universidade Federal do Amazonas (Ufam) recebeu 50 vagas, destas 34 para 2006 e 16, para 2007, para os campi de Benjamin Constant, Coari, Humaitá e Centro de Antropologia. As universidades federais de Santa Maria (UFSM) e de Pelotas (UFPel) receberam 148 vagas para fortalecer os campi que integrarão a Universidade Federal do Pampa (Unipampa/RS). Das vagas, 64 são para preencher em 2006 e 84, em 2007.As universidades federais de São Carlos (UFSCar/SP), Rondônia (Unir), Tocantins (UFTO) e Uberlândia (Ufub/MG), campus de Ituiutaba, foram autorizadas a fazer concursos para preencher, juntas, 26 vagas em 2006 e 15, em 2007, para concretizar a criação de cursos de Medicina. Já na Amazônia Legal, as universidades federais Rural da Amazônia (Ufra), com sede no Pará, do Amapá (Unifap), de Roraima (UFRR) e de Rondônia (Unir) foram autorizadas a fazer concursos públicos para consolidar os novos cursos de graduação e pós-graduação.

Agencia Estado,

05 de maio de 2006 | 18h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.