MEC abre consulta pública sobre Enem online

Pasta quer receber sugestões sobre nova proposta de exame; para colocar ideia em prática, é necessário aumentar o banco de questões

O Estado de S. Paulo

03 Março 2015 | 23h19

SÃO PAULO - O Ministério da Educação (MEC) abriu consulta pública nesta terça-feira, 3, para receber sugestões sobre a proposta de Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) online. A consulta ficará aberta até 17 de março.

O novo ministro da Educação, Cid Gomes, quer tornar a prova online ainda neste ano. A ideia de Gomes é criar um grande banco virtual de questões da prova, com acesso livre para consultas e estudos.

No momento da prova, feita em salas credenciadas pelo MEC, seriam sorteadas perguntas para cada candidato. Como o teste é de múltipla escolha, o resultado sairia instantaneamente.

Para tornar a ideia realidade, segundo o ministro, é preciso aumentar o banco nacional de questões do Enem. O ideal, diz ele, seriam 8 mil questões para cada uma das quatro grandes áreas (Ciências Humanas, Ciências Naturais, Linguagens e Matemática) - 32 mil no total. O MEC não informa quantos itens tem o atual banco de questões, mas sabe-se que este número está bem abaixo da meta pretendida.

Com o Enem online, o MEC pretende reduzir esforços e gastos com a logística de aplicação do teste, além de diminuir as possibilidades de fraudes. Em 2014, o exame foi aplicado simultaneamente para 6,2 milhões de candidatos em todo o Brasil.

O exame virtual ainda atende a uma demanda antiga, de mais de uma edição da prova por ano. O novo formato é inspirado no SAT, exame similar ao Enem aplicado nos Estados Unidos.

O Ministério da Educação (MEC) abriu consulta pública nesta terça-feira, 3, para receber sugestões sobre a proposta de Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) online. A consulta ficará aberta até 17 de março.

O novo ministro da Educação, Cid Gomes, quer tornar a prova online ainda neste ano. A ideia de Gomes é criar um grande banco virtual de questões da prova, com acesso livre para consultas e estudos.

No momento da prova, feita em salas credenciadas pelo MEC, seriam sorteadas perguntas para cada candidato. Como o teste é de múltipla escolha, o resultado sairia instantaneamente.

Para tornar a ideia realidade, segundo o ministro, é preciso aumentar o banco nacional de questões do Enem. O ideal, diz ele, seriam 8 mil questões para cada uma das quatro grandes áreas (Ciências Humanas, Ciências Naturais, Linguagens e Matemática) - 32 mil no total. O MEC não informa quantos itens tem o atual banco de questões, mas sabe-se que este número está bem abaixo da meta pretendida.

Com o Enem online, o MEC pretende reduzir esforços e gastos com a logística de aplicação do teste, além de diminuir as possibilidades de fraudes. Em 2014, o exame foi aplicado simultaneamente para 6,2 milhões de candidatos em todo o Brasil.

O exame virtual ainda atende a uma demanda antiga, de mais de uma edição da prova por ano. O novo formato é inspirado no SAT, exame similar ao Enem aplicado nos Estados Unidos.

Mais conteúdo sobre:
enem enem online cid gomes

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.