Mais um caso de fraude no sistema de cotas raciais da UFBA

O terceiro caso de fraude no sistema de cotas raciais da Universidade Federal da Bahia foi confirmado na noite desta segunda após diretores da UFBA comprovarem a denúncia de que um aluno do curso de Direito teria estudado em escola da rede privada na cidade de Feira de Santana, a 108 quilômetros de Salvador.A UFBA reserva 45% das vagas oferecidas no único vestibular anual para o sistema de cotas. Desse total 43% destina-se a afrodescendentes e 2% a indiodescendentes. Contudo, a reserva só vale para o estudante que cursou os ensinos elementar e médio exclusivamente na rede pública. Dois alunos do curso de Medicina também fraudaram o sistema e já tiveram suas matriculas canceladas. Eles serão processados por falsidade ideológica e utilização de documentos públicos falsos pela Procuradoria da Cidadania do Ministério Público Federal em Salvador.O terceiro caso foi denunciado à UFBA por telefone, por uma pessoa anônima que informou a escola particular onde o estudante de Direito havia cursado dois anos do ensino médio. Um contato telefônico da universidade com a direção dessa escola já confirmou que o acusado efetivamente estudou lá. Nesta terça, a UFBA deve receber um documento oficial da escola de Feira de Santana e divulgar o nome do estudante que vai ter também a matricula cancelada

Agencia Estado,

13 de fevereiro de 2006 | 22h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.