Isla-Santarém
Isla-Santarém

Mais 5 universidades portuguesas aceitam o Enem; total sobe para 47

Convênio das instituições europeias com o MEC ocorre há cinco anos; notas do exame serão publicadas em janeiro

Felipe Cordeiro, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2019 | 14h10
Atualizado 21 de novembro de 2019 | 15h36

SÃO PAULO - Mais cinco universidades portuguesas passarão a adotar a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como forma de ingresso nas instituições, anunciou nesta terça-feira, 19, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Agora, o Enem pode ser usado em 47 instituições de ensino de Portugal.

As novas instituições que aceitam o Enem são:

  • Instituto Superior Manuel Teixeira Gomes (Ismat), em Portimão
  • Instituto Superior Dom Dinis (Isdom), em Marinha Grande
  • Instituto Superior de Gestão (ISG), em Lisboa
  • Instituto Superior de Gestão e Administração de Santarém (Isla-Santarém), em Santarém
  • Instituto Superior de Gestão e Administração de Gaia (Isla-Gaia), em Vila Nova de Gaia

O programa de convênio com as instituições portuguesas completou cinco anos em maio. As duas primeiras instituições que assinaram o acordo, em 2014, a Universidade de Coimbra e a Universidade do Algarve, renovaram a parceria.

O presidente do Inep, Alexandre Lopes, assinou os acordos na sede da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (ULHT), em Lisboa, em cerimônia conduzida pelo reitor da instituição portuguesa, Mário Caneva Moutinho.

Para Entender

Enem: entenda como é calculada a nota da prova

Teoria de resposta ao item é a ferramenta usada para correção do exame; ideia é medir com mais precisão a proficiência nas matérias e evitar chutes

Para Lopes, a ampliação no número de convênios cria mais oportunidades para os brasileiros. 

"Toda a oportunidade que a gente possa dar ao estudante brasileiro, de ele se abrir para o mundo, buscar conhecimentos novos, é enriquecedora, e este é um trabalho muito importante para o Inep", afirmou, em nota, o presidente do Inep.

O reitor da ULHT também celebrou a assinatura do acordo.

"Estamos ansiosos por receber um maior número de estudantes brasileiros. Eles serão bem recebidos e bem integrados", disse Moutinho. 

Nota do Enem e questão anulada

O Inep divulgou na semana passada os gabaritos oficiais e os cadernos de questões do Enem 2019. Vale ressaltar que, mesmo com o gabarito em mãos, não será possível saber a nota final do exame. Os resultados individuais do Enem 2019 serão divulgados, na Página do Participante ou no aplicativo do Enem, a partir de consulta com Cadastro de Pessoa Física (CPF) e senha, em janeiro de 2020. 

Nesta terça, o órgão vinculado ao Ministério da Educação (MEC) anunciou que uma questão da prova de Ciências Humanas e suas Tecnologias da prova foi anulada. Segundo o Inep, o teste já havia sido usado em outra prova no ano passado.

Informações importantes para quem quer estudar em Portugal

Pontuação

A nota mínima necessária varia de acordo com o curso e instituição, mas a maioria exige 120 pontos na escala portuguesa (que varia de 0 a 200) e equivale a 600 pontos no Enem. Além disso, a maioria das universidades atribui pesos diferentes às provas do exame, valorizando o desempenho nas áreas relacionadas às que o aluno quer estudar.

Nomenclaturas

Em Portugal, o termo licenciatura se refere aos bacharelados. Mestrados integrados são cursos com cinco anos de duração, como Engenharias e Arquitetura.

Anuidade

Apesar de serem públicas, as universidades portuguesas cobram anuidade de € 1,5 mil a € 7 mil (R$ 6,9 mil a R$ 32 mil).

Custo de vida

Assim como no Brasil, cidades maiores e mais fortes turisticamente têm custo de vida maior em Portugal. Lisboa é onde moradia e alimentação são mais caras. A estimativa é de que essas despesas fiquem entre € 300 e € 500 (R$ 1,4 mil e R$ 2,3 mil), dependendo da cidade escolhida.

Especialistas explicam como usar a nota do Enem; ouça no podcast Se Liga no Vestibular

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.