Maioria dos formandos queria um curso mais exigente

Mais da metade dos brasileiros que se graduaram nas universidades e faculdades em 2003 considera que seus cursos exigiram menos estudos do que deveriam para garantir-lhes boa formação. Segundo dados do último Exame Nacional de Cursos, o Provão, 56% dos 390 mil formandos que participaram da avaliação no ano passado acham que seu curso deveria ter exigido deles um pouco mais ou muito mais.Divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), do Ministério da Educação, os dados mostram que outros 38% consideraram o nível de exigência "na medida certa" e apenas 6% acham que ela deveria ter sido menor. As informações foram reunidas por meio do questionário socioeconômico do Provão de 2003.Segundo o Inep, os estudantes de Jornalismo são os mais insatisfeitos: 73% queriam ter tido um curso mais exigente. Os que menos se queixam são os formandos de Engenharia Mecânica: 37,5% criticaram o baixo nível de exigência.Veja os porcentuais de insatisfeitos, de acordo com o curso:Jornalismo - 73% Ciências Contábeis - 67,5% Direito - 64,8% Administração - 63,1% Medicina - 62,9% Economia - 59,2% Letras - 52,8% Pedagogia - 46,7% Fonoaudiologia - 40,6% Física - 37,9% Engenharia Elétrica - 37,6% Engenharia Mecânica - 37,5%

Agencia Estado,

27 de janeiro de 2004 | 17h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.