Maior vestibular sob tempestade

Alunos foram de helicóptero; aguaceiro atrapalhou, mas não cancelou o concurso

Rose Saconi, de O Estado de S. Paulo,

24 Setembro 2013 | 08h39

 Uma tempestade de verão tomou São Paulo na noite de 18 de janeiro de 1977, véspera da última prova do primeiro vestibular da Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest). 

 

No dia do exame, as marginais amanheceram alagadas e inundações em diversos pontos da cidade deixaram bairros isolados. A prova estava marcada para as 8 horas e tinha uma tolerância de 15 minutos de atraso, mas, por causa da situação, os coordenadores decidiram admitir a entrada de retardatários até as 11h15. 

 

O então diretor do cursinho Objetivo, João Carlos Di Gênio, veio com uma solução radical: alugou helicópteros e começou a recolher os alunos ilhados em vários pontos da cidade, levando-os para a Cidade Universitária, Faculdade Oswaldo Cruz e PUC. Pelo rádio, os estudantes eram orientados para que se dirigissem ao Campo de Marte, ou ao Clube Atlético Juventus.

 

Disputa. Centenas de candidatos correram para esses locais e “começaram a disputar, histericamente, cada nova vaga que surgia nos helicópteros”, escreveu o Estado. Foi então que o coordenador da Fuvest na época, José Goldemberg, decidiu aceitar a sugestão do diretor do Objetivo e enviou para o Campo de Marte um professor, três fiscais e 150 provas, autorizando a aplicá-las aos candidatos em dois hangares do aeroclube. 

 

A chuva não dava trégua nem os helicópteros, conta do transporte. Um caminhão do Corpo de Bombeiros chegou às 12h40, trazendo 40 vestibulandos que estavam ilhados no Juventus, na zona leste. Muitos desses jovens fizeram a prova nervosos, famintos e encharcados.

 

Assim foi a estreia do maior e mais concorrido exame do País. Não houve sigilo, não houve limite de horário, alguns jovens chegaram às 16 horas e fizeram a prova normalmente. Vários candidatos que não conseguiram realizar o exame tentaram, inutilmente, conseguir da Fuvest uma nova oportunidade. Os coordenadores, porém, confirmaram que a prova não seria, em hipótese alguma, anulada.

 

Criação. A Fuvest foi criada em junho de 1976. Surgiu principalmente da necessidade de a Universidade de São Paulo (USP) passar a selecionar seus próprios alunos. Até então, três fundações, Cescem, Cescea e Mapofei, organizavam os exames para várias universidades públicas e particulares. A separação era por área; quem prestava Medicina se inscrevia no Cescem; Engenharia, na Mapofei, e a área de humanas ficava com o Cescea.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.