Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Escolas terão sigilo para proteger mães vítimas de violência

A partir da mudança, é possível inserir e manter em sigilo os dados dos estudantes, como o endereço onde moram estas mães

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2016 | 11h35

SÃO PAULO -  Uma decisão da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo colocará sob sigilo informações de alunos com mães que estiverem em situação de violência doméstica. 

A partir da mudança, é possível inserir e manter em sigilo os dados dos estudantes, como o endereço onde moram estas mães. A decisão foi tomada depois de o Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher (Nudem) da Defensoria Pública do Estado informarem um caso de um agressor que teria localizado o paradeiro da vítima por meio dos dados cadastrais de seus filhos, que estavam disponíveis no sistema de matrícula. 

Agora apenas um servidor da delegacia de ensino da região poderá ter acesso aos dados da criança para saber em que escola ela está matricula e qual é seu endereço residencial. Já as informações não sigilosas estarão disponíveis somente para funcionários que possuírem senha pessoal para acesso ao sistema. 

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    SÃO PAULO

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    • Fuvest 2020: Veja os locais de prova da primeira fase do vestibular
    • Redações da Fuvest: Estadão Acervo levantou o temas de cada redação do exame desde 1977
    • Medicina na USP tem disputa de 129 candidatos por vaga; veja relação
    • Conheça práticas ilegais comuns na matrícula e nas mensalidades de escolas e faculdades
    • Primeira fase da Fuvest: ouça as dicas dos especialistas no podcast ‘Se Liga no Vestibular

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.