Mackenzie diz não se responsabilizar por apitaço de alunos

Reitoria declarou, em nota, lamentar os transtornos causados nas ruas pela manifestação

Lorena Amazonas, especial para o Estadão.edu,

21 de março de 2012 | 15h08

Em nota divulgada à imprensa, a reitoria do Mackenzie diz que "por força da lei, não pode se responsabilizar por ações de estudantes fora do seu espaço físico ou mesmo impedi-las" e segue dizendo que "lamenta, ainda, os transtornos causados nas ruas em decorrência de tais manifestações". A declaração se refere a manifestação ocorrida hoje, 21, organizada por alunos da universidade em protesto a adoção das notas do Enem como forma única de seleção de candidatos.

A manifestação reuniu cerca de 800 alunos em frente ao campus, na Rua da Consolação. Estudantes seguiram até a Rua Maria Antônia e retornaram ao Mackenzie, mas encontraram as portas fechadas e foram impedidos de entrar. Alguns estudantes tentaram pular o muro e foram atingidos com spray de pimenta por policiais militares.

No comunicado, a reitoria reafirma a decisão de utilizar o Enem como processo seletivo, seguindo, assim "o exemplo de outras instituições educacionais de primeira linha no Brasil, tanto públicas quanto privadas, que já incluíram esta iniciativa em sua seleção.".

Tudo o que sabemos sobre:
Mackenzie, Enem

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Fuvest 2020: Veja os locais de prova da primeira fase do vestibular
  • Redações da Fuvest: Estadão Acervo levantou o temas de cada redação do exame desde 1977
  • Medicina na USP tem disputa de 129 candidatos por vaga; veja relação
  • Conheça práticas ilegais comuns na matrícula e nas mensalidades de escolas e faculdades
  • Primeira fase da Fuvest: ouça as dicas dos especialistas no podcast ‘Se Liga no Vestibular

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.