GIULIANO GOMES
GIULIANO GOMES

Lula se solidariza com professores agredidos em Curitiba

Cerca de 150 pessoas ficaram feridas depois que tiros de bala de borracha e bombas de gás lacrimogêneo foram lançados

Carla Araújo, O Estado de S. Paulo

29 Abril 2015 | 18h37

SÃO PAULO - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva usou as redes sociais para se manifestar sobre a greve de professores do Paraná e a reação da Polícia Militar, que na tarde desta quarta-feira, 29, entrou em confronto com os manifestantes. "Solidarizo-me com os professores do Paraná, que foram agredidos de forma violenta pela Polícia Militar do Estado", escreveu. O Paraná é governado pelo tucano Beto Richa.

Segundo Lula, a polícia tem de garantir o direito de manifestação das pessoas e protegê-las. "É inadmissível que o direito de manifestação seja restringido a qualquer pessoa, principalmente àqueles que trabalham pela educação de nossos jovens e o futuro do País", escreveu o ex-presidente.

De acordo com o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu), cerca de 150 pessoas (professores, a maioria) ficaram feridas depois que tiros de bala de borracha e bombas de gás lacrimogêneo foram lançados no confronto entre policiais militares e docentes, no Centro Cívico de Curitiba, próximo à prefeitura. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.