Lula promete criar 10 universidades federais até 2010

Presidente afirma estar "tentando recuperar" o tempo perdido sem investimentos em educação

01 de outubro de 2007 | 07h49

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira, 1, ter resolvido "grande parte" dos problemas na educação do País. Em seu programa semanal de rádio, Café com o Presidente, disse ter o "compromisso" de terminar seu mandato, em 2010, com mais dez universidades federais, outras 48 extensões universitárias novas, além de 214 escolas técnicas profissionais. "Esses são números importantes porque são na verdade compromissos políticos, éticos e educacionais com a sociedade brasileira".  Veja também:MEC perdeu R$ 72 bilhões em 12 anos por causa da DRU Lula disse que os resultados de sua política educacional já podem ser percebidos. Como exemplo, citou o crescimento do número de universitários no País em 13,2%, apontado pelo IBGE em estudo divulgado na semana passada. "É crescente o número de crianças de 7 a 14 anos na escola, é crescente o número de crianças de 5 a 6 anos na escola, é crescente o número de jovens de 15 a 17 anos".  O presidente disse ainda que irá beneficiar 30 milhões de alunos com o Programa Nacional de Bibliotecas Escolares, de 85 mil escolas públicas no Brasil.  Lula afirmou diversas vezes que está "tentando recuperar" o tempo perdido em investimento na educação. O presidente lembrou da criação do Fundeb, disse já ter enviado ao Congresso um programa de desenvolvimento da educação e afirmou ter ampliado de oito para nove anos o tempo de permanência das crianças na escola. Sobre pouco hábito de leitura do brasileiro, o presidente disse ter aprovado uma lei do presidente José Sarney que isenta de tributo todas as publicações de livro no Brasil. "Depois, em 2006, nós criamos o Plano Nacional do Livro e Leitura, que articula ações, projetos e programas de incentivo à leitura em todas as regiões do País", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
educaçãoCafé com o Presidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.