Lula pede "revolução interna" para tornar escola mais alegre

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu em cerimônia no Planalto, neste domingo, uma "revolução interna" das escolas e dos educadores para que o ambiente escolar se torne mais prazeroso aos alunos."Eu acho que a escola precisa fazer essa revolução interna, acho que os educadores brasileiros precisam fazer essa revolução interna também, acho que todos nós precisamos fazer essa revolução interna, para que a gente possa convencer essa meninada de que a escola é, efetivamente, o espaço mais prazeroso que ela pode freqüentar", disse, em discurso de improviso, ao homenagear os alunos vencedores do concurso de frases do 7.º Encontro Cívico Nestlé-Ministério da Educação.Escola prazerosa"Poderíamos incentivar outros tipos de concursos sobre os problemas de dentro das escolas para que a gente pudesse, não apenas descobrir, mas para que a gente pudesse, já no próximo ano, constatar que as crianças estão indo à escola, não porque a mãe está ameaçando colocar de castigo, porque o pai está ameaçando punir, mas que estão indo à escola porque a escola é, efetivamente, o grande lugar onde elas poderão traçar o seu destino e o seu futuro", prosseguiu, ao cumprimentar os alunos que venceram o concurso, que este ano teve como tema "Como fazer de sua escola um lugar mais alegre".Lula, que estava ao lado da primeira-dama, Marisa Letícia, e dos ministros da Educação, Cristovam Buarque, e dos Esportes, Agnelo Queiroz, destacou ainda a importância de o governo firmar parcerias com a iniciativa privada para estimular entre outras coisas, a educação."As pessoas, quando são convocadas, quando são motivadas, participam", comentou, justificando que, "muitas vezes, nós é que achamos que o povo não tem interesse pelas coisas que nós sequer os motivamos a colocar em prática".Moxila nas costasNa cerimônia, que foi realizada do lado de fora do Planalto e também assistida por uma delegação de atletas que disputaram os jogos Pan Americanos, Lula e Marisa ganharam duas mochilas com kits de ensino. O presidente, bem-humorado, pôs a mochila, exatamente como fazem os meninos quando vão para à escola.O presidente entregou, também, diploma de honra ao mérito ao aluno Sebastião de Souza, de 53 anos, que, na avaliação de Lula, é um exemplo por estar se dedicando aos estudos em uma fase mais adiantada da vida. A cerimônia foi encerrada com uma chuva de pétalas de flores, ao som da banda Casa da Farinha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.