CFESS/Divulgação
CFESS/Divulgação

Liminar proíbe divulgação de material que compara ensino a distância a fast food

Intitulada 'Educação não é fast food - diga não à graduação à distância em Serviço Social', campanha era veiculada em rádios e na internet

Carolina Stanisci, Estadão.edu

03 Agosto 2011 | 14h25

Uma liminar da Justiça Federal proibiu a veiculação da campanha do Conselho Federal do Serviço Social (CFESS) que compara o ensino a distância de Serviço Social à alimentação fast food. A liminar foi concedida pelo juiz federal Haroldo Nader, da 8ª Vara da subseção judiciária de Campinas, em uma ação cautelar movida pela Associação Nacional dos Tutores de Ensino a Distância (Anated).

Intitulada "Educação não é fast food - diga não à graduação à distância em Serviço Social", a campanha começou a ser veiculada em maio. Além de um hotsite, com 13 filmes publicados no Youtube, foram divulgados spots em rádios comunitárias, além de material gráfico, como adesivos e cartazes associando o ensino a distância à alimentação fast food.

Num filme, um atendente recebe uma moça em uma lanchonete para oferecer um "combo" educacional.

Para o magistrado, o modo como estudantes e professores - tutores, no caso - são tratados no material publicitário é "pejorativo". O descumprimento pode levar a uma multa diária de R$ 1 mil.

De acordo com o presidente da Anated, Luis Gomes, alunos e tutores de educação à distância em Serviço Social começaram fazer muitas queixas do material, nos últimos meses. "Eles se sentiram discriminados", diz Gomes.

No site do CFESS estão descritas as motivações da campanha, como na pergunta: "Já imaginou trocar suas refeições por um lanche rápido durante quatro anos? É exatamente isso que ocorre com quem escolhe o ensino de graduação à distância em Serviço Social".

O conselho não quis se manifestar até ser notificado da liminar. Em uma nota no site, eles reafirmam que vão "prosseguir com a divulgação de seu posicionamento político em defesa da educação pública, laica, presencial e de qualidade".

CONTRADIÇÃO

Apesar da campanha contra o ensino a distância de Serviço Social, o CFESS continua cadastrando os estudantes formados nessa modalidade.

"É essa contradição que a gente não entende. Ainda mais no serviço social, que tenta diminuir a desigualdade social", afirma Gomes, da Anated.

Além do conselho, a Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social e a Executiva Nacional dos Estudantes de Serviço Social também participaram da realização da campanha.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.