Líderes estudantis do Chile aceitam dialogar com o governo

Coordenação Nacional de Estudantes do Ensino Médio já rejeitou pacote proposto pelo governo e insiste no ensino grátis

Ansa

15 Agosto 2011 | 14h13

A Coordenação Nacional de Estudantes do Ensino Médio do Chile (Cones, na sigla em espanhol) aceitou dialogar com o governo, mas exigiu que o debate seja feito sobre suas demandas estudantis, como ensino gratuito e de qualidade, e não sobre a proposta elaborada pela gestão do presidente Sebastián Piñera nas últimas semanas.

  

"Nós vamos colocar estas garantias, vamos colocar estes parâmetros, e, com base nisso, vamos dialogar com eles", declarou o porta-voz da organização, Freddy Fuentes, após um encontro do Cones que durou mais de 24 horas na cidade de Copiapó, a cerca de 800 quilômetros da capital.

  

Segundo Fuentes, os representantes estudantis da entidade sempre estiveram dispostos a debater suas demandas. "Queremos conversar com os diferentes atores (sociais) que estejam dispostos a falar com agente", concluiu.

  

O acordo difere da determinação estabelecida pelo setor universitário no último sábado, 13, que rechaçou a proposta do Congresso, ainda que ambas entidades tenham ratificado as mobilizações e convocado uma greve para a próxima quinta-feira, 18. 

  

"Nós continuaremos em parceria com eles, isso não significa que o movimento (estudantil) esteja dividido, pelo contrário, quando chegarmos a Santiago conversaremos com eles. Isto não é uma divisão", enfatizou o porta-voz.

  

A Cones ainda revelou que deve mandar uma contra-proposta ao ministro de Educação, Felipe Bulnes, após ter rechaçado o documento que prevê um pacote com 21 medidas de reformas entregue pelo governo recentemente.

  

Segundo os estudantes do ensino médio, a proposta governamental "não trata de temas fundamentais", como o fim do lucro no ensino chileno.

  

Eles ainda pediram que a população mantivesse seu apoio à causa estudantil por meio dos "panelaços", que foram feitos durante toda a última semana em mais de 20 regiões chilenas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.