GloboNews/Divulgação
GloboNews/Divulgação

Lições de diretor de escola campeã do Ideb podem virar livro

Escola pública de Pernambuco tem notas altas no Enem e gera medalhistas em Matemática

Cedê Silva, Especial para o Estadão.edu

30 Agosto 2011 | 17h44

A experiência de administração de uma das mais bem-sucedidas escolas públicas do Brasil pode virar livro. O professor Ivan José Nunes Francisco, diretor da Escola Estadual Tomé Francisco da Silva, localizada em Quixaba (PE), disse nesta terça-feira ao Estadão.edu que sua mulher, que trabalha com ele na administração da escola, pretende escrever uma autobiografia, após se aposentarem, para mostrar aos sucessores como foi o trabalho.

A Tomé Francisco atingiu nota 6,5 no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) - a meta do Ministério da Educação é que a média nacional chegue a 6,0 até 2022. A escola também está entre as 20 mais bem colocadas de Pernambuco no Enem e teve vários alunos premiados na Olimpíada de Matemática das escolas públicas. Quixaba tem menos de 7 mil habitantes e fica no sertão, na divisa com a Paraíba.

Segundo Francisco, para mudar a realidade da escola é preciso motivar o professor, o que o faz render mais. Um bom diretor, diz ele, deve liderar a comunidade escolar, e conforme o projeto ganha credibilidade os resultados vão aparecendo.

"O primeiro passo é conhecer a clientela", disse, "e daí fazer um plano de ação, como a gente fez". Na sua escola, os professores são avaliados todo bimestre. "Tem que incentivar professores, alunos e os pais, convidá-los a ingressar no projeto". Os resultados positivos são divulgados num jornal interno. 

"Nosso trabalho tem como foco o resultado e o sucesso do aluno, essa é a nossa luta diária", afirma Francisco. "100% dos alunos se inscrevem na Olimpíada de Matemática. O que mais nos ajuda é que os alunos vão tendo bons resultados e os outros querem seguir o exemplo". Os ex-alunos bem-sucedidos fazem seminários duas vezes por ano na escola, o que, para o diretor, ajuda também na orientação vocacional. O colégio, diz, está colocando muitos alunos nas universidades federais, como as de Paraíba e Pernambuco. Outros ainda são bolsistas do ProUni. Muitos educadores estão de olho: "outro dia recebemos professores da Universidade Federal do Amazonas que vieram conhecer nosso projeto e implementar nos seus Estados".

Mais cedo, o diretor havia falado sobre sua experiência no 7º Fórum de Educação do canal Globo News. Ele criticou a política do governo de enviar mais dinheiro apenas para as escolas com notas baixas, deixando de premiar as bem-sucedidas.

Atualizado às 16h de quarta-feira, 31 de agosto

Mais conteúdo sobre:
Educação, Ideb, PE, Ivan José

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.