Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Justiça proíbe corte de ponto de professor em greve em São Paulo

Multa diária por descumprimento é de R$ 10 mil; primeiros descontos foram feitos no holerite de maio; governo informou que vai recorrer

Luiz Fernando Toledo e Paula Felix, O Estado de S. Paulo

13 Maio 2015 | 22h32

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) decidiu nesta quarta-feira, 13, por 17 votos a 6 que o governo de São Paulo não pode cortar o ponto dos professores em greve no Estado. No mesmo dia, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) reforçou promessas de melhoria aos docentes temporários para dar fim à greve, que nesta quinta-feira, 14, completa dois meses.

A multa diária por descumprimento da decisão do TJ-SP é de R$ 10 mil. Os docentes tiveram os primeiros descontos no holerite de maio. O governo informou que não foi notificado pelo tribunal, mas que vai recorrer.

A ação havia sido movida em março pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), O governo havia conseguido no dia 1.º de abril uma decisão liminar que o autorizava a fazer os descontos.


Em reunião realizada na manhã desta quarta entre a Secretaria Estadual de Educação (SEE) e a Apeoesp, o governo informou que enviará, em até 30 dias, projeto de lei que estende o atendimento médico de saúde dos servidores públicos (Iamspe) aos professores temporários. A SEE sinalizou ainda que deve aumentar o tempo de contrato dessa categoria para três anos - hoje, eles precisam se afastar das aulas por praticamente um ano, após um ano de trabalho. Apesar da proposta, a SEE não falou sobre reajuste e , em nota, apenas ressaltou que “mantém a política salarial e que a data-base da categoria é em 1.º de julho”.

A presidente da Apeoesp, Maria Izabel Noronha, criticou o resultado da reunião. “Positiva para mim seria ter saído com o índice (do reajuste)”, disse. Os professores farão nova assembleia para discutir a continuidade da greve nesta sexta-feira, no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.