TABA BENEDICTO/ ESTADAO
TABA BENEDICTO/ ESTADAO

Justiça nega pedido e mantém Enem no próximo domingo

Para juíza, 'não há provas cabais de que os protocolos sanitários não foram cumpridos'; Inep será obrigado a reaplicar exame para alunos barrados

Júlia Marques, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2021 | 17h35

A Justiça Federal negou pedido da Defensoria Pública da União (DPU) para adiar a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), marcado para o próximo domingo, 24. No pedido, a DPU argumentou que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) não respeitou o porcentual de ocupação das salas com que tinha se comprometido. 

Como o Estadão mostrou, salas do Enem ficaram cheias no domingo, apesar da abstenção recorde de 51,5%. Em outras classes, estudantes foram impedidos de entrar após ter sido atingida a ocupação de 50%. Aplicadores relataram que, na véspera, receberam a orientação de que ocupação deveria ser reduzida de 80% para 50%. 

Para a juíza Marisa Claudia Gonçalves Cucio, porém, "não há provas cabais de que os protocolos sanitários não foram cumpridos no momento da realização da prova". Sobre estudantes barrados, a juíza argumenta que isso "demonstra que não houve infringência à lotação permitida para atender os protocolos sanitários". A data das próximas provas ficou mantida para o dia 24 de janeiro

Na decisão, a Justiça determinou que o Inep reaplique as provas para estudantes barrados nos dias 23 e 24 de fevereiro. Afirmou ainda que, se for comprovado que o Inep mentiu quanto à existência de plano de ocupação de 80% e que contava com a taxa de abstenção  de 30%, "deverá sofrer as penalidades legais por eventual violação ao dever de lealdade processual".

No último domingo, estudantes fizeram as provas de Ciências Humanas, Linguagens e Redação. No próximo, estão marcados testes de Ciências da Natureza e Matemática. 5,7 milhões de pessoas se inscreveram para realizar o Enem, mas menos da metade compareceu às provas. O ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou que o exame "foi um sucesso", apesar da taxa elevada de abstenção. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.