Manifestantes pedem fim da lista tríplice
Manifestantes pedem fim da lista tríplice

Justiça nega pedido de reintegração de posse da reitoria da USP

Juiz diz que retirada de alunos pela Tropa de Choque traria mais danos à imagem da universidade do que a paralisação parcial da instituição por causa do protesto

O Estado de S. Paulo

09 Outubro 2013 | 15h47

SÃO PAULO - A Justiça negou nesta quarta-feira, 9, o pedido de reintegração de posse da reitoria da Universidade de São Paulo (USP), ocupada por estudantes há oito dias. Após o fracasso da audiência de conciliação entre representantes da USP e dos alunos na terça-feira, 8, o juiz Adriano Laroca, da 12ª Vara da Fazenda Pública da capital, reprovou a possibilidade de usar força policial para retirar os alunos. A universidade deve recorrer da decisão.

O prédio está ocupado por alunos desde a terça-feira, 1º, em protesto por eleições diretas para a cúpula da instituição.

De acordo com o magistrado, o Judiciário não pode absorver conflitos negados pela postura antidemocrática de outros poderes, "sem o risco de ele próprio praticar o mesmo autoritarismo (repressão)". Laroca ainda argumentou que a retirada de alunos pela Tropa de Choque traria mais danos à imagem da universidade do que a paralisação parcial da instituição por causa do protesto.

Nesta quarta-feira, os estudantes fazem um protesto na Avenida Paulista a favor de mais democratização nas eleições da USP. Alunos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) organizaram caravana para reforçar a manifestação, que seguirá até a Assembleia Legislativa. A reitoria da Unicamp também está ocupada por alunos, que são contra a presença da Polícia Militar no câmpus.

Mais conteúdo sobre:
USP reitoria

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.