Justiça marca audiência de conciliação entre USP e alunos que ocupam reitoria

Grupo ocupou o prédio da administração central na terça-feira, em protesto durante reunião do Conselho Universitário

Barbara Ferreira Santos e Victor Vieira,

03 Outubro 2013 | 16h25

A Justiça agendou uma audiência de conciliação para terça-feira, 8, entre a reitoria da Universidade de São Paulo (USP) e os manifestantes que ocupam o prédio da administração central da instituição. A reunião foi definida nesta quinta-feira, 3, pela 12.ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de São Paulo, ao analisar o pedido de reintegração de posse feito pela USP.

O juiz Marcos Pimentel Tamassia, responsável pela decisão, afirmou que não se trata de uma reintegração de posse convencional por se assemelhar a "um ato de manifestação". O magistrado ponderou, no entanto, que a universidade alega que o protesto "não está sendo realizado de forma pacífica e ordeira, o que de fato é bem preocupante". O Diretório Central dos Estudantes, o Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp) e a Associação dos Docentes da USP foram requeridos no pedido de reintegração feito pela universidade.

Os grupos que ocupam a reitoria reivindicam eleições diretas para a cúpula da USP. Para sair do edifício, eles ainda pedem a anulação da última decisão do Conselho Universitário, instância máxima da universidade, que reduziu de dois para um o número de turnos do processo de escolha para reitor e estabeleceu uma consulta informativa à comunidade universitária, sem caráter decisório, a ser divulgada cinco dias antes da data da eleição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.