Jornalista eclético

Formação de profissionais da imprensa nos EUA inclui cursos paralelos, como Ciência Política, para enriquecer o currículo

Gustavo Chacra, CORRESPONDENTE/NOVA YORK - O Estado de S. Paulo

30 Novembro 2010 | 01h24

Um “cientista que saiba escrever” é melhor do que “um jornalista que entenda de ciência”, como na provocação lançada pela revista The Economist? A diretora da escola de Jornalismo da Universidade Columbia, Perri Klass, prefere a cautela: depende do caso. “Muitas das melhores reportagens de ciência que li foram escritas por repórteres que não tinham uma formação específica sobre a área que estavam escrevendo.” Perri sabe do que está falando. É colunista do New York Times, mas se formou em Medicina na Universidade Harvard antes de migrar para o Jornalismo.

 

Nos Estados Unidos, as principais escolas têm foco na pós-graduação de Jornalismo, e não na graduação. Em geral, os alunos estudam em outras áreas antes da formação específica. Existe graduação em Jornalismo no país, mas a formação costuma ser paralela, com o estudante cursando Jornalismo e Ciência Política, por exemplo. Esse modelo complementar é considerado o ideal por diretores de escolas de Jornalismo que conversaram com a reportagem do Estado.

 

Veja também:

 

- Pós da ESPM recorre a elite para formar líderes e aponta para novo modelo

- Editor do Grupo Estado fala sobre experiência de curso em Stanford

 

Três dos principais centros de estudo de Jornalismo dos EUA ficam em Nova York. O de Columbia é considerado um dos melhores e, no passado, era parada quase obrigatória para quem quisesse trabalhar no New York Times. A escola também concede o prêmio mais importante da categoria, o Pulitzer. Na pós da universidade, os alunos se concentram em uma área da imprensa, como jornal ou TV. Mas também podem cursar disciplinas em outras escolas, como a de Relações Internacionais, ou estudar línguas como persa e árabe.

 

Na Universidade de Nova York (NYU), os alunos têm formação eclética. Saem da faculdade sabendo como escrever o perfil de uma personalidade e editar um documentário.

 

Perma-lance. Menos tradicional, a Cuny, universidade pública da cidade de Nova York, também entrou forte no ensino de Jornalismo. A vantagem, segundo afirma o diretor da escola, Stephen Dougherty, é que ela é nova e incorporou as mudanças provocadas por inovações tecnológicas.

 

“Os estudantes precisam saber que a carreira deles provavelmente não será no NYT. Precisam ser versáteis e desenvolver sua marca pessoal. Eles são o que se chama de perma-lance, o free-lance permanente.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.