Helvio Romero/AE-3/12/2009
Helvio Romero/AE-3/12/2009

‘Já vivemos um longo inverno’, diz diretor do Peixonauta

Kiko Mistrorigo, da TV Pinguim, comemora sucesso de desenhos brasileiros aqui e no exterior

Carlos Lordelo, O Estado de S. Paulo

14 Dezembro 2010 | 10h29

Há 20 anos no mercado de animação, Kiko Mistrorigo viu de perto a evolução do setor no Brasil e reconhece: a situação está muito melhor. “Já vivemos um longo inverno, em que nossa animação se restringiu à prestação de serviços para a publicidade e ao trabalho autoral de alguns profissionais”, diz o arquiteto e diretor da TV Pinguim, produtora responsável pelo desenho Peixonauta.

 

Veja também:

 

- Sucesso de desenhos brasileiros abre espaço para cursos de formação de animadores

 

- ‘Funciona como uma indústria’, diz diretor do primeiro longa-metragem em stop motion feito no Brasil

 

A empresa tem 20 funcionários, mas precisou contratar outros 180 no ano passado, quando fez a primeira temporada da série sobre o peixe que defende questões ambientais. “Uns 70 nunca haviam trabalhado com animação. Chamamos até quem só tinha noção de Photoshop, capacitamos e colocamos para executar tarefas básicas”, conta.

 

Segundo ele, o Brasil está caminhando para ser um polo gerador de ideias e marcas. “O mundo desenvolvido tende a nos ver como produtor de serviço barato. Com nossas séries, estamos mostrando que sim, prestamos serviços, mas de primeira qualidade.”

 

FRASE

 

"O animador brasileiro tem uma paixão que é difícil de se ver por aí. Nem sempre ele é um artista, mas precisa ter boa formação para ser um técnico. Hoje, o cara pode produzir, colocar o link na web e enviar seu trabalho para estúdios"

Kiko Mistrorigo, diretor da TV Pinguim, produtora do Peixonauta

Mais conteúdo sobre:
Animação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.