Irlanda receberá 2 mil bolsistas do Ciência sem Fronteiras

Acordo foi fechado na 3ª-feira, em Brasília; objetivo é estreitar relações entre países

Estadão.edu, com informações da Agência Brasil e da Assessoria de Imprensa do MEC,

10 Outubro 2012 | 23h51

Os governos do Brasil e da Irlanda assinaram na terça-feira, 9, acordos no âmbito do programa Ciência sem Fronteiras. Nos próximos três anos, serão concedidas 2 mil bolsas para brasileiros estudarem ciência, tecnologia, engenharia e matemática em instituições irlandesas de ensino superior.

 

“O Brasil tem todo o interesse em se aproximar de um país como a Irlanda, que é referência em educação”, disse o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, que assinou as parcerias com o presidente da Irlanda, Michael Higgins, em Brasília. “Esperamos, através do Ciência sem Fronteiras, estreitar relações e aproximar nossas universidades e população.”

 

Higgins defendeu o intercâmbio com pesquisadores brasileiros. "Ciência e tecnologia são áreas que precisam de  investimento independentemente de fronteiras. Além da cooperação econômica, é uma honra participar do processo educacional do Brasil", disse.

 

Até 2015, a expectativa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), junto com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), é que 101 mil brasileiros estudem em universidades de todo o mundo, por meio do Ciência sem Fronteiras.

Mais conteúdo sobre:
Ciência sem Fronteiras Intercâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.