Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Investir no ensino mais cedo tem custo menor, aponta levantamento

Pesquisa mostra que gasto para reverter déficit é o dobro do aplicado na primeira infância (do 0 aos 6 anos de idade)

Bárbara Ferreira Santos, O Estado de S. Paulo

19 de janeiro de 2015 | 08h00

SÃO PAULO - Investir na correção de desigualdades durante o desenvolvimento infantil é mais eficaz e mais barato do que em outras etapas da vida. Se governos e famílias tentarem reverter déficits de aprendizado apenas a partir do ensino fundamental, terão de aplicar o dobro do dinheiro que gastariam na primeira infância, época de desenvolvimento do 0 aos 6 anos de idade.

Como cada conteúdo aprendido em um período da vida serve para o aprendizado na etapa seguinte, os déficits ou desigualdades têm de ser corrigidos o mais cedo possível, para que não se acumulem.

Isso é o que aponta um levantamento de pesquisas científicas sobre a primeira infância, produzido pelo Núcleo Ciência pela Infância (NCPI), iniciativa que reúne estudiosos de Harvard, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal.

O documento, intitulado O Impacto do Desenvolvimento na Primeira Infância sobre a Aprendizagem mostra que o investimento nessa etapa não tem impacto somente no desempenho acadêmico, mas influencia toda a vida, gerando maior renda, melhor saúde e até menor criminalidade.

Os pesquisadores explicam que o desenvolvimento nessa fase é crucial. E o cérebro tem toda a participação nisso: quanto mais novo o indivíduo, mais conexões o órgão faz. No segundo ano de vida, chega a realizar 700 novas conexões por segundo.

Ely Harasawa, da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, explica que as grandes aquisições, como a linguagem e o raciocínio, são mais bem desenvolvidas exatamente na infância. "Não é que depois não recupera, mas demora mais, gasta mais dinheiro e mais esforço."

O pesquisador em educação Eduardo Marino ressalta que não adianta, no entanto, os pais relegarem a tarefa do desenvolvimento das crianças para a escola. "Os pais tendem a ter um maior envolvimento nessa fase, porque é a estreia da criança na escola. Mas é preciso ter proximidade com o educador, estabelecer um canal de diálogo e entender os desafios nessa etapa", afirma Marino.

A educadora Bianca Inês da Silva, de 27 anos, trabalhou em uma creche particular e, na hora de escolher uma instituição municipal para a filha, de 3 anos, se preocupou em conhecer o corpo docente da instituição. "Eu pergunto para as professoras como foi o dia da Maria Eduarda", explica. "Sei que, se não tivesse atividade lá, teria de compensar em casa."

Expansão. Governos também terão o desafio de expandir suas redes e com qualidade. De acordo com o novo Plano Nacional de Educação (PNE), o Brasil terá de universalizar o acesso à pré-escola até 2016 e ter 50% das crianças de zero a três anos na creche até 2024 - em 2012, 82,2% das crianças estavam na pré-escola e 23,5%, na creche. "Construir é o mais fácil. O custo de manutenção é a grande questão", diz Francisco Carbonari, do Conselho de Educação de São Paulo.

Mais conteúdo sobre:
Educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.