Inscrições para o Ciência sem Fronteiras terminam na sexta-feira

Programa vai dar bolsa sanduíche para estudantes de graduação em 20 países

Guilherme Soares Dias, especial para o Estado,

27 Novembro 2013 | 15h48

As inscrições estão abertas para cursos no Reino Unido, Bélgica, Canadá, Holanda, Finlândia, Austrália, Nova Zelândia, Coreia do Sul, Espanha, Estados Unidos, Alemanha, França, Itália, Suécia, Noruega, Irlanda, China, Hungria, Japão e Áustria.

O Ciência sem Fronteiras foi lançado em 2011 com a meta de conceder 101 mil bolsas de graduação e pós-graduação até 2015. Até agora, no entanto, somente 37,8 mil alunos viajaram para fora do País pelo programa do governo federal. “O nível de proficiência dos alunos é um problema para o preenchimento de todas as vagas”, opina Vinícius Barreto, diretor da Australian Centre em São Paulo– agência responsável pelos estudantes interessados em estudar em cinco universidades da Austrália. “Mesmo audaciosa, a meta do governo de levar 100 mil estudantes deve ser cumprida”, ressalva.

Para se inscrever é preciso ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e obtido nota igual ou superior a 600 pontos, apresentar teste de proficiência em língua estrangeira aceita pela instituição de destino e ter cumprido no mínimo 20% e, no máximo, 90% do currículo do curso de graduação.

O programa escolhe alunos das seguintes áreas de formação: Ciências Exatas e da Terra; Energias Renováveis; Tecnologia Mineral; Formação de Tecnólogos; Biotecnologia; Petróleo, Gás e Carvão Mineral; Nanotecnologia e Novos Materiais; Produção Agrícola Sustentável; Tecnologias de Prevenção e Mitigação de Desastres Naturais; Fármacos; Biodiversidade e Bioprospecção; Tecnologia Aeroespacial; Ciências do Mar; Computação e Tecnologias da Informação; Indústria Criativa (voltada a produtos e processos para desenvolvimento tecnológico e inovação); Novas Tecnologias de Engenharia Construtiva; Biologia, Ciências Biomédicas e da Saúde.

A bolsa concedida aos candidatos selecionados vai custear a permanência do aluno por até 12 meses para a realização de estudos em tempo integral. Os estudantes também terão auxílio-instalação, seguro-saúde, auxílio-deslocamento para aquisição de passagens aéreas e auxílio-material didático, para compra de computador portátil ou tablet.

 

Mais conteúdo sobre:
ciencia sem fronteira bolsa exterior

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.