Inep vai mudar acesso às notas do Enem

Órgão avalia que o sistema adotado era frágil; problemas ligados à tecnologia ocorrem pelo menos desde o início deste ano

Paulo Saldaña, Estadão.edu

06 Agosto 2010 | 11h29

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) vai mudar o modo pelo qual os estudantes têm acesso às notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pela internet. O Estado apurou que essa é a primeira alteração no sistema do exame realizado pelo instituto após o vazamento dos dados pessoais, que também motivou abertura de uma auditoria interna.

 

 

Não é mais possível recuperar a senha de inscrição na página do exame. Um dispositivo nesse site dava acesso à senha dos candidatos assim que um usuário informasse número de inscrição, CPF, nome, Estado de origem e data de nascimento – as mesmas informações disponíveis nos arquivos que ficaram expostos na internet, conforme o Estado revelou anteontem. 

 

 

A avaliação é que o caminho era frágil e, por isso, será alterado. Foi por meio dessa ferramenta que a reportagem chegou ao desempenho dos estudantes, entre eles o filho do ministro Fernando Haddad (Educação).

 

 

O MEC enfrentava problemas com sistemas de tecnologia bem antes do vazamento dos dados. No começo do ano, usuários enfrentaram congestionamento durante a inscrição no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que seleciona candidatos do Enem para as vagas de institutos e universidades federais. Em março, outro problema técnico no Sisu fez com que estudantes não classificados aparecessem como convocados para matrícula.

 

 

A auditoria interna que o Inep está tocando ainda não tem data para terminar. A ideia é monitorar as “fragilidades” de todo o sistema, segundo informou o instituto. O Inep não tem informações precisas de como os links com os dados dos inscritos foram disponibilizados no site por, pelo menos, quatro meses.

 

 

O presidente do instituto, Joaquim Soares Neto, afirmou anteontem que trabalha com a tese de que os endereços eletrônicos estavam no conjunto de informações protegidas, mas não pôde confirmar se esses links – livres de senha de acesso – foram retirados do diretório protegido. Por isso, o Inep trabalha com todas as possibilidades.

 

 

O instituto afirma que só acionará a Polícia Federal se for constatada má-fé na divulgação dos dados – por enquanto, a hipótese é que tenha havido falha. Anteontem, o ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, colocou à PF à disposição do Ministério da Educação (MEC).

 

 

De acordo com o Inep, apenas 231 instituições de ensino superior tinham a senha de acesso para as informações de todos os estudantes. São faculdades e universidades privadas e públicas que utilizam o Enem como parte do vestibular – não é o mesmo cadastro e senha das instituições que utilizam o Enem para o Sisu ou o ProUni.

 

 

Para acessar o sistema do Inep é necessário cadastrar usuário e senha, que são fornecidos pelo MEC ao reitor da instituição – que escolhe pessoas de sua confiança para navegar no site.

 

 

Universidades consultadas pelo Estado, no entanto, afirmaram que nunca tiveram acesso aos arquivos com os dados de todos os inscritos das edições de 2007, 2008 e 2009 - apenas aos candidatos que concorrem a uma vaga na instituição.

Mais conteúdo sobre:
Enem vazamento MEC Inep

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.