Indústria 4.0 ganha força na pós-pandemia

Indústria 4.0 ganha força na pós-pandemia

Graduações se atualizam com recursos tecnológicos que geram eficiência e redução de gastos, como impressão 3D, internet das coisas e automações

Alex Gomes, especial para O Estado, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2020 | 12h00

Para um estudante em dúvida sobre que carreira seguir, pode parecer desalentador considerar trabalhar na indústria brasileira. Como se não fosse suficientemente desestimulante saber que o setor é um dos que apresentam maior recuo no globo em quase 50 anos, conforme o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), a crise desencadeada pela pandemia da covid-19 levou à redução ou paralisação de 76% da área, de acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Entretanto, alguns cursos de graduação associados ao setor secundário da economia podem se mostrar extremamente atraentes: são aqueles que atuam no conceito da indústria 4.0. A proposta engloba uma série de transformações nos processos manufatureiros com avançados recursos tecnológicos como inteligência artificial, big data, impressão 3D, internet das coisas e automações. A previsão é de que a área movimente US$ 15 trilhões nos próximos 15 anos, conforme dados da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

O potencial revolucionário é, de fato, expresso em cifras nada modestas. Outro levantamento da ABDI estima que a migração das indústrias para o conceito 4.0 proporcionaria uma economia de R$ 73 bilhões por ano, graças a fatores como ganhos de eficiência, redução do consumo de energia e manutenção de maquinário. É um panorama que até deve ser impulsionado pela atual crise.

“Com a pandemia observamos um importante movimento de adequação das estruturas de tecnologia da informação, as TIs, o que acabou tanto por incrementar a demanda para alguns tipos de serviços, como tem obrigado a uma otimização ágil nas aplicações e nas infraestruturas de TI”, explica Marcelo Valeri, gerente de Negócios para Indústria 4.0 da Atos, multinacional de tecnologia que auxilia empresas a se estabelecerem no universo digital.

Novidades

Com tal horizonte em vista, as instituições de ensino reformulam ou reforçam as estruturas de seus cursos para alinhá-los às necessidades da indústria 4.0. No Instituto Mauá de Tecnologia, o curso de Engenharia de Produção passou por uma reformulação que envolveu tanto a mudança da grade curricular como a implementação de novas estruturas inspiradas nas ações que permeiam a indústria 4.0.

“Por um lado, inserimos disciplinas como a que trata do Gerenciamento de Sistemas Produtivos Inteligentes, na qual buscamos entender um posicionamento futuro da indústria nacional e global, traçando uma jornada para alcance dos conceitos da indústria 4.0”, explica David Garcia Penof, coordenador do curso. “Ao mesmo tempo, criamos laboratórios nos quais sistemas ciber físicos são pensados e testados com a interação entre robôs, sensores, controladores, materiais e banco de dados, fortalecendo o aprendizado.”

As mudanças incrementaram uma formação que pode ter até seis anos de duração e engloba temas clássicos da área, como planejamento e controle de produção, controle de qualidade, projeto de produto e da fábrica e pesquisa operacional. O coordenador explica que as mudanças não vieram para reavivar um curso em crise, mas aprimorar uma graduação em alta no mercado, com a procura vinda de áreas díspares, como setor hospitalar e mercado financeiro. “Atualmente, temos um índice de empregabilidade que flutua em torno de 98%.”

Com a pandemia, sugere Penof, a atuação do engenheiro de produção, já considerada ampla, deverá se expandir a partir da necessidade de as empresas repensarem seus processos, racionalizando-os e tornando as organizações mais efetivas no atendimento das expectativas de seus clientes e, portanto, competitivas. “Apenas para ilustrar, o mercado financeiro, o hospitalar, o varejo, a indústria manufatureira e a área de logística certamente vão demandar grande quantidade de engenheiros de produção qualificados.” 

Evolução

Há cursos credenciados para a quarta revolução industrial por estarem historicamente ligados a outras revoluções. Em outras palavras, se adequar a mudanças faz parte de seu DNA. O curso de Engenharia Mecatrônica da Universidade de São Paulo (USP) surgiu com o fenômeno da indústria 3.0, com seu contexto de automação. Foi fruto da pesquisa de docentes que estudaram no Japão e trouxeram novas propostas na bagagem. “Sempre fomos um curso de vanguarda. Hoje, formamos os alunos que atuam diretamente na indústria 4.0. É uma continuidade natural da junção do mundo mecânico com o computacional”, diz Eduardo Tannuri, coordenador da graduação.

Oferecido no campus de São Paulo e no de São Carlos, no interior do Estado, o curso põe os alunos em contato com os modernos sistemas que permeiam a indústria 4.0, como machine learning, inteligência artificial, computação em nuvem e impressão 3D. Projetos como o controle de veículos autônomos ou aplicação de robôs em sala de cirurgia são alguns dos que ocupam a mente dos alunos, bem como outros avanços que estão a caminho do País. 

“O Brasil vai entrar na era do 5G, com internet de alta velocidade que permitirá, por exemplo, controlar robô a 20 quilômetros sem latência (sem atraso). A tecnologia vai abrir oportunidades infinitas de novo desenvolvimento para os futuros engenheiros”, prevê o coordenador do curso de Mecatrônica.

Não são apenas as novas tecnologias promovidas pela indústria 4.0 que impõem mudanças às graduações. O próprio perfil do profissional, historicamente visto como contido e introspectivo, também ganha novos contornos no cenário manufatureiro. Tradicionalmente, o engenheiro tem um perfil mais reservado. Porém temos uma cobrança maior para o trabalho em grupo. Com a pandemia, demos maior impulso a interação entre os alunos, tanto dentro da turma como também com outras escolas da USP, como as de Física e Matemática. “Temos alunos fazendo iniciação científica com professores da área de Medicina por exemplo”, afirma Tannuri. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.