Indiciado pela PF, eletricista da Unirio é nomeado para compor comissão eleitoral

Universidades S/A: Luiz Claudio Melo é investigado em suposto esquema de venda de vagas em Medicina; Luiz Pedro Jutuca tenta a reeleição

Lauro Neto, O Globo

16 Abril 2015 | 14h39

RIO - O eletricista da Unirio Luiz Claudio Cruz de Melo, indiciado em 2012 pela Polícia Federal (PF) pelos crimes de corrupção passiva e inserção de dados falsos em sistemas de informação, foi nomeado pelo reitor, Luiz Pedro San Gil Jutuca, como titular na comissão eleitoral do pleito que definirá quem ocupará a reitoria nos próximos quatro anos. A votação acontece nestas quinta e sexta-feira, e Jutuca é candidato à reeleição.

O reitor designou a comissão eleitoral em portaria publicada em 5 de janeiro deste ano. No dia 19 de março, a comissão eleitoral divulgou as chapas concorrentes: a "UNI [+]", com Jutuca candidato à reeleição, tendo Ricardo Silva Cardoso como vice; e a "Novos Tempos", com o atual vice-reitor, José da Costa Filho, candidato ao cargo máximo da Unirio, e o professor Edson Ferreira Liberal, como seu vice.

Luizinho, como Melo é conhecido na Unirio, é investigado num suposto esquema de venda de vagas no curso de Medicina da Unirio, no qual seis estudantes teriam pago R$ 70 mil cada para ingressar na Escola de Medicina e Cirurgia (EMC) da universidade. A fraude foi denunciada pelo jornal O Globo há três anos. Com base nas reportagens, a PF e o Ministério Público Federal (MPF) instauraram inquéritos para apurar responsabilidades. Na época, Jutuca classificou o esquema de "grande fraude", mas Melo manteve suas atividades na instituição desde então. Em 2014, os sigilos telefônicos e bancários dos envolvidos foram quebrados com autorização da Justiça, mas até agora ninguém foi preso. 

O eletricista já respondeu a processos internos no passado. Em 2010, segundo consta no site do Tribunal de Contas da União (TCU), o órgão o multou em R$ 15 mil, além do ex-pró-reitor administrativo da Unirio Carlos Alberto Veiga, em R$ 20 mil, por irregularidades em licitação para a aquisição de 400 notebooks. Em 2011, Luizinho respondeu a um processo administrativo disciplinar (PAD) para apurar suposta infringência ao Estatuto do Servido Público Federal. Ele teria usado quatro cheques institucionais para comprar bens próprios. A comissão presidida pelo diretor da Cosea, Roberto Vianna da Silva, puniu Luizinho com 15 dias de suspensão, por meio de portaria assinada pelo reitor Luiz Pedro San Gil Jutuca.

No site da instituição, consta que, em 2005, o eletricista foi promovido a chefe da Divisão de Patrimônio, do Departamento de Atividades de Apoio, da Pró-Reitoria de Administração da Unirio. Em 2007, nova promoção, desta vez para o cargo de chefe do serviço de compras da Divisão de Material, nos mesmos departamento e pró-reitoria. 

A reportagem questionou a Unirio sobre por que Jutuca escolheu Luizinho para a comissão eleitoral. A assessoria de imprensa da universidade respondeu por e-mail que “as informações estão sendo apuradas”. O jornal também tentou contato com o eletricista, mas não conseguiu até o momento.

Série “Universidades S/A”

A chapa do reitor de Jutuca vem divulgando, em sua campanha, uma nota intitulada "transparência e informação". O comunicado cita reportagem publicada pelo na série “Universidades S/A”, em conjunto com os jornais Estado, O Globo, Zero Hora, Diário Catarinense e Gazeta do Povo. A matéria revelou uma investigação do Ministério Público Federal, que vê fraude em contrato de R$ 17 milhões entre a universidade e a Petrobras. A chapa alega que o "professor Jutuca, como reitor, tomou todas as providências cabíveis para a apuração destas irregularidades". Entretanto, até o momento, nenhum dos professores envolvidos no suposto esquema foi punido.

O texto da chapa “Uni +”, que tem Jutuca com candidato à reeleição, e o professor Ricardo Silva Cardoso como vice, diz que “em uma matéria veiculada em 12/04, pelo jornal O Globo, vimos a nossa Unirio envolvida em irregularidades. A universidade já se posicionou em uma nota oficial, em que é possível constatar que o professor Jutuca, como reitor, tomou todas as providências cabíveis para a apuração destas irregularidades (...). A chapa 2 não tolera desvios de conduta e mau uso de dinheiro público (...)”.

Após a reportagem de domingo, a chapa 1, “Novos tempos”, de oposição a Jutuca, também publicou uma nota em sua página no Facebook. Confira o texto divulgado pelo atual vice-reitor e candidato à reitoria, José da Costa Filho, e Edson Ferreira Liberal (seu vice) abaixo: 

“Fomos todos impactados por matéria divulgada neste final de semana sobre eventuais fragilidades de nossa universidade. Coerentes com o princípio de nossa proposta, defendemos a radicalização da transparência, especialmente no que tange ao acompanhamento e controle de contratos, convênios e processos institucionais. Neste contexto sucessório para a reitoria, consideramos inapropriada a utilização da exposição pública da Unirio visando promover prejuízo a qualquer candidatura”.

Mais conteúdo sobre:
Universidades Ensino Superior Unirio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.