Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Inadimplentes poderão renegociar dívidas com o Fies no 2º semestre

Programa tem um total de 2,7 milhões de contratos - e 453 mil alunos inadimplentes, o que equivale a um débito de R$ 10 bilhões

O Estado de S. Pualo

25 de junho de 2018 | 22h29

Estudantes que contrataram o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e estão inadimplentes poderão renegociar as dívidas a partir do segundo semestre deste ano. O programa tem, atualmente, um total de 2,7 milhões de contratos - e 453 mil alunos inadimplentes, o que equivale a um débito de R$ 10 bilhões com o fundo.

A lei que permite a renegociação com a Caixa Econômica Federal foi publicada na última semana, no Diário Oficial da União. As regras ainda serão divulgadas pelo Comitê Gestor do Fies. A proposta havia sido discutida, no mês passado, pelo ministro da Educação Rossieli Soares na Câmara dos Deputados. 

++ Principal aposta para alavancar Fies só teve 800 vagas preenchidas em 2018

"Vai beneficiar especialmente o aluno ou ex-aluno para que se recoloque inclusive com a possibilidade de buscar outros financiamentos que ele precise para sua vida", disse Rossieli à época, após a reunião anual da Frente Parlamentar Mista da Educação, na Câmara.

Segundo o Ministério da Educação (MEC), a permissão de renegociação das dívidas é um caminho para dar sustentabilidade e fortalecer o Fies. Para o diretor de gestão de fundos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Pedro Pedrosa, a renegociação pode levar à criação de novas vagas para o financiamento estudantil. 

++ Fies terá financiamento mínimo de 50% do valor do curso

Novo teto. O governo aumentou o teto e determinou o financiamento mínimo de 50% do curso para as contratações de empréstimos com o Fies no segundo semestre. O limite financiável aumentou de R$ 30 mil para R$ 42.983. As mudanças valerão para a modalidade 1 do Novo Fies, em que são ofertadas vagas com juro zero para estudantes de famílias com renda mensal de até três salários mínimos.

O limite de R$ 42.983 foi o mesmo definido para as contratações até dezembro de 2017. O valor havia sido reduzido com a reformulação do programa, válida para este ano, mas, de acordo com Rossieli, foi aumentado agora porque havia demandas por cursos mais caros, como medicina.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.