Improviso e criatividade dão prêmio a professor de química

Dar aulas de química numa escola onde não há laboratório de química é um desafio com que o professor Heitor Moura Erhard aprendeu rapidamente a lidar.Volta e meia ele aparece na sala de aula da Escola Estadual Padre Anchieta, no Brás, zona leste de São Paulo, com caixas de papelão debaixo do braço, sais, reagentes, material reaproveitado do lixo, coisas compradas às vezes com seu dinheiro. ?Tem de usar a criatividade para fazer os alunos aprenderem a pensar?, diz Erhard, de 43 anos.Químico formado pela Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto, ele foi um dos professores escolhidos pela Secretaria de Estado da Educação este ano para receber o bônus máximo como reconhecimento do trabalho em classe. São R$ 6 mil (ainda sem os descontos do Imposto de Renda), que serão depositados em sua conta-salário. Isso significa mais de quatro vezes os R$ 1.270 que Erhard leva para casa todo mês para dar 32 horas/aula por semana a 16 turmas ? de dia e à noite.Casado e pai de três filhos ? todos alunos da rede pública ?, ele começou a dar aulas em 1983. Parou e voltou a lecionar algumas vezes. Há cerca de dez anos está na rede pública. Em 2000 foi efetivado. ?O ensino público está melhorando, mas é preciso mais investimento.?Reforço escolarColega de Erhard, a professora de matemática Laurinda da Conceição Miranda, de 48 anos, também vai receber o bônus máximo. Por iniciativa própria, Laurinda criou no ano passado um projeto de reforço na escola para tirar dúvidas dos alunos. Também participou de trabalhos conjuntos com professores de outras matérias e não teve uma falta sequer ao longo do ano.No magistério desde 1979, ela tem um salário líquido de R$ 1.451. Se já pensou em mudar para uma área mais rentável? ?Não. Estou na profissão por amor. Tenho compromisso com os alunos e me empenho para ajudá-los a ter sucesso.?A secretaria levou em conta o número de faltas dos professores, seu engajamento em projetos da escola, o número de alunos atendidos e se seu trabalho contribuiu para reduzir a evasão escolar. Criado em 2000, o bônus será pago a todos os mais de 170 mil professores e 18 mil gestores da rede. Os valores variam de R$ 1.200 a R$ 6.000 (para os docentes) e até R$ 7.000 (para os gestores).A professora ainda não sabe direito o que vai fazer com seu bônus, mas deve aplicar na reforma de sua casa. Erhard pensa em fazer o mesmo.

Agencia Estado,

10 de fevereiro de 2004 | 13h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.