Identificação digital ajudará na promoção da cidadania

Para o diretor do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), Sérgio Rosa, a identificação digital que está sendo implantada pelo Ministério da Educação (MEC) vai auxiliar não só no controle da freqüência escolar, mas será também um instrumento de promoção da cidadania. Para ele, uma vez que o mecanismo detecta a ausência do aluno em sala-de-aula, órgãos como o Conselho Tutelar fiscalizar se os pais estão mantendo as crianças na escola."Nossa intenção não é só acompanhar a freqüência, mas é identificar todos esses alunos, dando-lhes, inclusive cidadania", argumentou Sérgio. Ele lembra que nesta etapa, o Serpro está recolhendo sugestões por parte de empresas do ramo para aperfeiçoar o edital de licitação que tem a data de divulgação marcada para o início de janeiro. Até o dia 30 de setembro, essas empresas poderão enviar sugestões de como o sistema pode ser construído a partir do modelo já estabelecido pelo Serpro. A expectativa é de que o sistema, que vai custar cerca de R$ 140 milhões, chegue a 70% das escolas públicas até o final de 2005. "O controle absoluto da freqüência, que vai permitir a utilização de meios tecnologicamente avançados através de cartão magnético e de impressão digital, é um processo que começa no ano que vem, já abrangendo 60% a 70% das escolas", informou o ministro da Educação, Tarso Genro.

Agencia Estado,

25 de setembro de 2004 | 03h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.