MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO
MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO

Hospital São Paulo decide retomar internações eletivas

O centro médico havia interrompido esse serviço na quinta por falta de verbas; medida foi reavaliada após repasse de R$ 7 milhões

Victor Vieira , O Estado de S. Paulo

20 Junho 2015 | 03h00

O Hospital São Paulo, administrado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), decidiu nesta sexta-feira, 19, retomar as internações eletivas - aquelas que não são de emergência. O centro médico havia interrompido esse serviço na quinta por falta de verbas.

A medida foi reavaliada após o anúncio de repasses de R$ 4 milhões do Ministério da Educação e R$ 3 milhões da Secretaria Estadual de Saúde ao hospital, na Vila Clementino, zona sul. As internações, de acordo com a universidade, serão retomadas para pacientes oncológicos.

“À medida que os recursos estejam disponíveis e o abastecimento restabelecido, os demais pacientes serão chamados para internação”, informou a Unifesp, em nota. As internações eletivas correspondem a cerca de metade das 2,2 mil internações que o hospital faz por mês. 

Além das ajudas federal e estadual, a unidade recebeu apoio da Secretaria de Saúde do município. De acordo com a pasta, haverá cessão de insumos hospitalares requisitados pelo hospital. Ela não detalhou, porém, quantos e quais materiais serão repassados.

Junto do Hospital das Clínicas e da Santa Casa, o Hospital São Paulo é um dos três principais centros médicos para atendimentos de alta complexidade da capital. A unidade é responsável pela cobertura de uma área de 5 milhões de habitantes. 

Braços cruzados. Apesar do anúncio de mais recursos, a direção do Hospital São Paulo ganhou nova preocupação para a próxima semana. Os médicos residentes do hospital farão assembleia na segunda-feira para decidir se entram em greve. 

Os profissionais pedem melhores condições de trabalho. A categoria reclama que, além da falta de verbas federais, houve aumento de trabalho nos últimos meses. São mais de mil médicos residentes no hospital, segundo o sindicato do setor. 

A Unifesp informou que recebeu as reivindicações e está aberta para negociar. Disse que não concorda, porém, com a possível paralisação. O hospital já enfrenta uma greve de servidores públicos federais, iniciada no fim de maio. Esse movimento afetou, principalmente, setores de enfermagem. 

Mais conteúdo sobre:
Hospital São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.