Guloseimas podem ser banidas das cantinas escolares

Salgadinhos, refrigerantes e doces podem ser banidos das cantinas escolares. O promotor de Justiça do Consumidor, João Lopes Guimarães Júnior, enviou à presidência da Assembléia Legislativa um ofício pedindo que os deputados discutam a questão. A intenção do promotor é que seja criada uma lei restringindo alguns alimentos do cardápio de escolas públicas e particulares. "A obesidade é um problema de saúde pública e deve ser combatida desde a infância", ressalta Guimarães Júnior. Para ele, é na cantina das escolas que as crianças estão mais sujeitas a consumir esses alimentos. "Lá, elas estão longe da fiscalização dos pais." O promotor lembra que, nos Estados Unidos, 19 estados já adotaram leis que regulamentam a venda de determinados alimentos nas cantinas. No Brasil, a iniciativa de combater a obesidade também não é nova. Em Santa Catarina, existem leis deste tipo desde o final de 2001. No ano passado, o prefeito do Rio de Janeiro, César Maia, determinou em decreto a proibição da venda de doces em 1.029 escolas municipais. Na onda, o deputado Lobbe Neto (PSDB) propôs na Assembléia Legislativa de São Paulo um projeto de lei que prevê a criação do Programa de Educação Nutricional. Os principais objetivos da medida, uma vez implementada na rede pública, seria promover campanhas educativas e fiscalizar a qualidade dos alimentos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), existe no mundo mais de 1 bilhão de adultos acima do peso e pelo menos 300 milhões clinicamente obesos. Entre as crianças, a obesidade também tem crescido em ritmo acelerado. No País, por exemplo, saltou de 3% para 14% nos últimos 20 anos. Os quilos a mais nos corpos das crianças aumentam as chances de elas adquirirem doenças típicas de adultos - como hipertensão e diabete tipo 2.

Agencia Estado,

23 de abril de 2003 | 14h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.