Guarde os livros e relaxe para a Fuvest

Nada de açúcar. Neste sábado, Renan Rodrigues de Freitas, de 18 anos, vai passar o dia à base do adoçante, sozinho, relaxado ao som de Aerosmith e Bon Jovi. Domingo, ele faz a prova da Fuvest em busca de uma vaga em economia e quer ter uma véspera tranqüila. Como leu em algum lugar que o açúcar refinado não faz bem porque requer muita energia para ser processado no organismo, decidiu só usar adoçante e comer bastante carboidrato.Outra decisão: não estudar. Mas ele também não vai sair com os amigos nem ir ao cinema, como recomendam os professores, para evitar estresse. ?Vai que eu pegue fila, encontre com minha ex-namorada ou não ache vaga no estacionamento. Vai ser um transtorno.? A programação, então, será passar o dia em casa, concentrando-se. ?Quero ir para a cama às 20h porque sei que vou demorar para pegar no sono, mas vou colocar meus CDs do Bon Jovi e do Aerosmith, que me ajudam a desligar de tudo.?Na véspera da Fuvest, cada vestibulando encontra uma técnica de ?sobrevivência?. Acampada na praia, Júlia Lopes de Almeida, de 21 anos, que presta para nutrição, aproveitará o som do mar para relaxar. ?Na última hora não dá para aprender nada e vou aproveitar o feriado para descansar.? Ontem, ela foi para Boracéia acampar com o namorado, e não levou nenhum livro na mochila. ?Não quero nem lembrar que tem Fuvest. Só vou voltar amanhã à noite ou no domingo de manhã, e irei para a prova renovada.?A estudante lembra que, no ano passado, passou o sábado em casa e não conseguiu fazer nada. ?Foi um horror. Fiquei o dia todo agoniada, só pensando no vestibular e, no domingo, estava tão abalada psicologicamente que travei e fui mal?, diz. ?Nesse ano, minha única preocupação será saber se tem sol para curtir a praia. Já estudei o que devia.?Mariana Serafim Schultz, de 18 anos, que tenta entrar em estatística, ficará em São Paulo e tentará manter-se longe da geladeira e do armário de guloseimas. Quando fica nervosa, ela acaba atacando tudo o que encontra pela frente. ?Como muito quando estou ansiosa, principalmente bolacha, chocolate e leite condensado puro com nescau?, conta. ?Sábado será dia de comilança.?Bate-papo na internet para pegar no sono - A vestibulanda também garante que não irá estudar no sábado. ?Vou dar uma volta com as minhas amigas, assistir algum filme ou ir a um barzinho?, afirma. ?Mas não vou fazer nada que canse e quero voltar cedo para casa.? Para pegar no sono, sua tática é ficar na internet, batendo papo com os amigos virtuais. ?Acho que isso vai me ajudar a esquecer um pouco da prova.?Ao contrário dos colegas, Larissa Magalhães, de 18 anos, candidata a uma vaga em medicina, vai passar o sábado fazendo revisão. ?Vou relembrar algumas fórmulas, fazer exercícios?, conta. ?Acho que essa última estudadinha é necessária para eu me sentir segura.? Apenas à noite é que ela tentará esquecer que é véspera de Fuvest. ?Vou sair para jantar com amigos do clube, que não estão prestando vestibular, para desestressar.? Caso a ansiedade aperte, Larissa vai apelar para um chá calmante. ?Mas acho que são os meus pais que irão precisar, pois estão mais nervosos do que eu?, conta. ?Tudo o que quero é que esse dia passe logo.?Enquanto os vestibulandos tentam esquecer que a Fuvest é domingo, uma equipe de 10 mil pessoas ? entre fiscais, coordenadores, transportadores do exame ? trabalham sem parar para que tudo esteja pronto. ?No sábado de manhã, uma equipe prepara todas as salas dos locais de exame, coloca a relação dos inscritos nas portas dos colégios e os fiscais participam de um último treinamento?, conta o supervisor da Fuvest, José Coelho Sobrinho. ?Na nossa central de atendimento (que funciona pelo telefone 11-3093.2444), também fica muita gente de plantão tirando as últimas dúvidas dos vestibulandos.?Sua dica para o sábado dos vestibulandos é simples: ?Os alunos devem descansar, não abusar dos passeios e ir se concentrando aos poucos. O que tinha de ser feito, já foi?. Ele confessa, no entanto, que está preocupado com o feriado. ?Sabemos que alguns candidatos viajaram e estamos com medo dessa volta?, conta. ?Sugerimos que eles voltem cedo para evitar imprevistos no domingo. A gente nunca sabe se as estradas estarão congestionadas e não vale correr o risco de perder a prova.?

Agencia Estado,

15 de novembro de 2002 | 22h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.