Grevistas e alunos invadem reitoria da USP com marretadas

Universidade denuncia uso de 'ferramentas de demolição' em ocupação e promete ir à Justiça

Paulo Saldaña e Carlos Lordelo, Estadão.edu

08 Junho 2010 | 19h31

Porta no prédio da reitoria foi arrancada a golpes de marretas

 

Os servidores grevistas da Universidade de São Paulo (USP) invadiram e ocuparam o prédio da reitoria da instituição nesta terça-feira. Para entrar no edifício, usaram ferramentas como marretas e picaretas. Quebraram portas, vidraças e destruíram parte de uma parede. A ação teve a ajuda de estudantes, que usaram máscaras e lenços para impedir ou dificultar a identificação.

 

A invasão  ocorreu por volta de 10 horas, mas apenas um pequeno grupo entrou. Após um impasse que durou pouco mais de 30 minutos, a  maioria dos manifestantes - cerca de 150 pessoas - aderiu à ocupação e decidiu, em assembleia, mantê-la por tempo  indeterminado.

 

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp), a "radicalização do movimento" tem o objetivo de pressionar o reitor João Grandino Rodas pela reabertura das negociações e protestar contra o desconto dos dias não trabalhados nos salários de cerca de mil funcionários.

 

Em nota, a reitoria da USP diz "lamentar" o que chamou de "invasão violenta". "Manifestantes portando ferramentas pesadas utilizadas em demolição vandalizaram as instalações do edifício e consumaram a invasão com a expulsão truculenta da Guarda Universitária", diz o texto, que também fala na possibilidade de colocar em prática "medidas legais".

 

Leia mais:

 

Ocupação da reitoria da USP será por tempo indeterminado, diz sindicato

 

Grevistas usaram marretas para invadir reitoria, diz USP

 

Conselho de reitores diz que isonomia entre servidores não existe

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.