Grevistas da USP têm opiniões diferentes sobre invasão da reitoria

Grupo que ocupou o prédio tenta convencer outros funcionários a fazer o mesmo

Paulo Saldaña, Estadão.edu

08 Junho 2010 | 11h46

Os servidores grevistas da Universidade de São Paulo (USP) que já invadiram e ocuparam o prédio da reitoria tentam convencer os demais funcionários a fazer o mesmo. Mas a maioria dos manifestantes presentes ao ato não quer entrar no edifício, com medo de represálias.

 

A indecisão fez com que o Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp) realizasse uma reunião em frente à garagem da reitoria para discutir as ações. Grevistas e estudantes encapuzados quebraram duas portas do acesso de carros para conseguir entrar no edifício.

 

"Vamos manter a ocupação até quando for necessário", defendeu o ex-funcionário da USP Claudionor Brandão. Ele foi demitido em 2008, mas continua ligado ao Sintusp.

 

Leia também:

 

Grevistas da USP invadem e ocupam prédio da reitoria

 

Presidente do Cruesp diz que isonomia entre servidores não existe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.