Greve em escolas de tecnologia de SP completa 15 dias

A greve de professores e funcionários do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (Ceeteps) e das Faculdades de Tecnologia (Fatecs) completou 15 dias e não há ainda uma negociação que possibilite a volta às aulas. Deputados da Comissão de Educação da Assembléia Legislativa de São Paulo pretendem convocar o secretário de Ciência e Tecnologia, João Carlos de Souza Meirelles, a participar de uma audiência sobre o problema.A informação foi dada na terça-feira a uma comissão do sindicato dos professores e funcionários, que fizeram uma manifestação na região central da capital paulista, antes de irem à Assembléia. Eles reivindicam reajuste salarial de 72,22% ? porcentual acumulado desde 1996.De acordo com o sindicato, estão paralisadas 40 Escolas Técnicas Estaduais (ETEs) e três Fatecs. Os números do Paula Souza são outros: das 105 ETEs, 26 pararam. De um total de 17 Fatecs, apenas uma teria aderido à paralisação.Limite de gastosO sindicato afirma que os dois últimos aumentos concedidos à categoria ocorreram em 1998 (10%) e em 2002 (5%). ?Estes porcentuais, no entanto, estão abaixo da nossa política salarial. Tentamos negociar um parcelamento com o governador, mas não houve acordo?, comenta Silvia Elena de Lima, secretária-geral do sindicato.Segundo ela, o piso de um professor das Escolas Técnicas Estaduais (ETEs) é de R$ 4,62 por hora/aula.O Centro Paula Souza informou que o Estado está no limite de gastos com pessoal determinado pela Lei de Responsabilidade Fiscal, o que impede a aprovação de aumentos salariais.

Agencia Estado,

03 de março de 2004 | 12h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.