Feipe Rau/Estadão
Feipe Rau/Estadão

Graduações da área de Gestão incorporam enfoques múltiplos

Educação corporativa, sustentabilidade e diversidade entram na grade das graduações voltadas para a gestão de pessoas

Estadão.edu,

22 Abril 2014 | 03h00

O foco da área de gestão nas empresas tem mudado dos números para as pessoas. O reflexo desta nova mentalidade foi a criação, por exemplo, de um curso de graduação que propicia uma formação mais específica, o de gestor de Recursos Humanos. Já na Administração, a área pública ganha espaço.

Para o coordenador do curso em Administração Pública da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP), Fernando Abrúcio, a área conquistou importância com o avanço das políticas públicas. "Houve multiplicação de temas. Meio ambiente, por exemplo, não era importante e hoje está em voga",  diz. Abrúcio ressalta que, nos próximos anos, deverá ocorrer uma grande renovação dos profissionais no setor público com a aposentadoria de boa parte dos servidores hoje na ativa. "Deve haver uma contratação grande", considera.

Já na gestão de pessoas, os cursos acrescentaram temas mais atuais. "Foram incorporadas áreas que as empresas passaram a dar ênfase, como gestão por competência, educação corporativa, sustentabilidade e diversidade, que antes não eram abordadas", diz a coordenadora do curso de Tecnologia de Gestão em Recursos Humanos da FMU, Roseli Martinez.

Outra mudança é a inserção do gestor de RH no planejamento estratégico das companhias. "Tem papel na operação e projeção maior", diz ela. Os cursos também passaram a trabalhar as características pessoais dos gestores - exigência crescente das empresas. "Fazemos isso, principalmente, por meio de trabalhos em grupo e atividades práticas e com raciocínio lógico", afirma.

Depoimento - Talita Borges, aluna de Administração Pública

"Procurava algo que fosse voltado para o público, para a sociedade, que pudesse solucionar os problemas do dia a dia. Quero trabalhar no governo e pretendo fazer pós e mestrado. A faculdade me coloca em contato com a realidade. Tem muito trabalho de campo, que possibilita conhecer sobre outros locais e estar em contato com as pessoas. Aprendemos a pensar de forma integrada."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.