DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Governo federal vai retomar oferta de 3.182 bolsas de pesquisa congeladas

Elas fazem parte do montante de 5.613 que não seriam renovadas, conforme anúncio do governo Jair Bolsonaro no dia 2

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2019 | 19h08

SÃO PAULO - A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), órgão ligado ao Ministério da Educação (MEC), recuou e vai ofertar em 2019 e no ano que vem 3.182 novas bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado. A nova oferta foi negociada com o Ministério da Economia. A gestão Jair Bolsonaro vinha sendo alvo de críticas e protestos por causa do bloqueio de verbas para a ciência. 

Em 2019, o dinheiro remanejado para pagar esses pesquisadores foi de R$ 22,5 milhões. Já no ano que vem, R$ 600 milhões serão destinados à manutenção das bolsas vigentes e à oferta de novos auxílios.  Com isso, o orçamento da Capes para 2020, que estava previsto em R$ 2,48 bilhões, passa para R$ 3,05 bilhões, de acordo com MEC

As novas bolsas fazem parte do montante de 5.613 que não seriam renovadas, conforme anúncio feito pelo governo no último dia 2. Com a garantia de mais recursos, a Capes voltou a garantir a oferta de parte delas.

“Como a gente não tinha a solução, segurou. Encontramos a solução, estamos soltando 3.182 novas bolsas. As pessoas que já estavam fazendo pesquisa têm recursos para continuar recebendo até o final da pesquisa deles”, afirmou o ministro da Educação, Abraham Weintraub. Segundo ele, ainda serão divulgados no final do mês os detalhes sobre a origem dos recursos para complementar o orçamento. Ele ainda disse que não foi um descontingenciamento (desbloqueio), mas uma solução financeira encontrada pela administração federal. 

Conforme a pasta, as novas bolsas serão todas ofertadas em programas com notas 5, 6 e 7 (numa escala de 1 a 7) nas avaliações da Capes. “São dos programas das melhores notas porque esses dão maior retorno para a sociedade”, disse o ministro nesta terça-feira, 11.  No 1º semestre, já haviam sido canceladas 6.198 bolsas da Capes e não há previsão de retomada desses auxílios. "Aquelas bolsas, lá atrás, que estavam com nota muito baixa ou estavam na mão do reitor e ele dava para quem ele quiser deixaram de existir", acrescentou Weintraub. 

No total, a Capes oferece cerca de 200 mil bolsas, sendo 92 mil para pós-graduação (mestrado, doutorado e pós-doutorado) e mais de 100 mil para a educação básica, como auxílios de iniciação científica.

Bolsas do CNPq ainda não tem recurso garantido

Na semana passada, o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, disse que faria remanejamento interno no orçamento do CNPq para conseguir pagar o valor das bolsas de pesquisa previsto para setembro. A conta é de R$ 82 milhões.  A saída será cortar o orçamento de fomento do CNPq, usado no apoio a outras iniciativas, eventos, entre outros. 

A situação até o fim do ano, porém, ainda não está resolvida. Faltam ainda R$ 250 milhões até dezembro para garantir os repasses aos bolsistas. O pedido do ministro é que o dinheiro seja obtido junto do fundo abastecido com recursos recuperados pela Operação Lava Jato, mas ainda não há definição. 

Também na semana passada, a Procuradoria-Geral da República, a Câmara dos Deputados e o Palácio do Planalto – por meio da Advocacia-Geral da União -, fecharam acordo para que R$ 1,06 bilhão do Fundo da Lava Jato sejam direcionados às ações de prevenção, fiscalização e combate ao desmate e outros ilícitos ambientais na Amazônia Legal. Outro R$ 1,6 bilhão deverá ser destinado para educação. Ainda não há detalhamento, porém, sobre como os recursos serão usados em cada área. /COM AGÊNCIA BRASIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.