Governo de SP concede 25% de aumento a funcionários da rede de ensino

44.569 servidores terão aumento retroativo a janeiro deste ano; quase 20 mil professores ficam de fora

07 de maio de 2010 | 12h02

Um grupo de 44.569 funcionários da rede de ensino de São Paulo recebe nesta sexta-feira, 7, aumento de 25% sobre o salário-base da categoria. Professores, supervisores e diretores foram premiados pelo desempenho no Programa de Valorizaçãopelo Mérito, realizado no início do ano pela Secretaria de Estado da Educação.

 

O aumento é retroativo aos vencimentos pagos desde janeiro. Segundo a secretaria, o programa permite ao docente multiplicar por quase quatro vezes o salário inicial da carreira.

 

Para isso, os professores devem obter notas mínimas em avaliações. A remuneração inicial para a jornada de 40 horas semanais, que hoje é de R$ 1.834,85, poderá chegar a R$ 6.270,78.

 

Do total de profissionais que terão aumento para a segunda faixa salarial prevista pelo programa, 11.007 são professores do ensino fundamental ciclo 1 (do 1º ao 5º ano), 32.397 são docentes do ciclo 2 (do 6º ao 9º ano) e do ensino médio, 268 são supervisores de ensino e 897 são diretores escolares.

 

Bônus

O exame de promoção do magistério teve 135.841 candidatos inscritos, dos quais 96.042 prestaram a prova e 81.526 foram aprovados. Desse montante, apenas 75.249 apresentaram os requisitos, 64.397 foram aprovados e 44.569 foram promovidos.

 

Quase 20 mil professores que preenchiam os requisitos para a promoção - assiduidade, tempo de permanência em uma escola e nota 6 na prova - ficaram sem o aumento, pois o limite de profissionais promovidos é de 20% de cada categoria.

 

Para alguns especialistas, a política de promoção baseada apenas em prova escrita é injusta por desconsiderar critérios como o comprometimento e a capacidade de conduzir um grupo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.