Governo de SP anuncia concurso para contratar 59 mil professores

Prova deverá ser realizada no segundo semestre; 20 mil devem ser contratados em janeiro de 2014

Tiago Dantas, O Estado de São Paulo

05 Julho 2013 | 14h46

SÃO PAULO - O governo de São Paulo pretende contratar 20 mil professores em janeiro de 2014. Eles serão selecionados em um concurso público que prevê a criação de outras 39 mil vagas, que serão distribuídas ao longo do ano. O concurso vai adicionar, ao todo, 59 mil novos professores para a rede estadual de ensino e foi apresentado, na manhã desta sexta-feira, 5, pelo governo como o "maior da história".

Além de diminuir o número de professores temporários, a medida tem o objetivo de tentar acabar com a falta de profissionais na rede pública. A prova deverá ser realizada no segundo semestre. Serão abertas vagas para Educação Básica, Ensino Médio e Ciclo 2 do Ensino Fundamental. As disciplinas com mais falta de professores são Física, Matemática, Filosofia e Sociologia, de acordo com o governo do Estado.

Alckmin promulgou, ainda, o aumento 8,1% para os professores e anunciou um pacote para a Educação. Os professores poderão acumular o cargo com a contratação temporária, na mesma escola, aumentando sua carga horária de 40 horas para 65 horas semanais. Outra mudança é que os educadores passarão pelo treinamento durante o estágio probatório. Antes, as duas fases ocorriam de forma separada.

Ainda na manhã desta sexta-feira, 5, o governador sancionou a lei de estimulo à regularização de dívidas de crédito rural. Por meio do decreto, os pequenos agricultores tiveram dívidas do Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista (Feap) perdoadas. "Tínhamos grande número de inadimplentes, então tiramos juros e tiramos multa para regularizar a situação do pequeno agricultor e de assentamento", afirmou Alckmin. Agora, os agricultores poderão ter acesso, segundo o governador, a crédito com juros de 3% ao ano, que é menor que a inflação.

Mais conteúdo sobre:
Geraldo Alckmin educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.