Governo de SP anuncia bônus de R$ 700 mi para servidores da Educação

255 mil servidores de 4.030 escolas estaduais receberão valor extra no salário, conforme

Paulo Saldaña, O Estado de S. Paulo

28 de março de 2014 | 13h14

Atualizada às 21h57

O governo do Estado de São Paulo vai pagar, na segunda-feira, R$ 700 milhões de bônus para 255 mil servidores de 4.030 escolas. A bonificação é calculada de acordo com a evolução do Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo (Idesp) - que, conforme o Estado revelou nesta semana, registrou queda de desempenho no ensino médio, estagnação no ciclo 2 do fundamental e cresceu nos anos iniciais.

Todos os funcionários, entre diretores e equipe de limpeza, das escolas que atingiram ou superaram as metas estabelecidas pelo Idesp podem ganhar até 2,9 salários a mais. Do total de contemplados, 206 mil são professores, dos quais 47 mil ganharão mais de R$ 5 mil (16 mil deles recebendo mais de R$ 8 mil).

Apesar de o porcentual de escolas que atingiram as metas ter caído (de 85,1%, em 2012, para 81% em 2013), o número de servidores que receberão o bônus cresceu 24%. O valor total também avançou, com salto de 18% em relação ao ano passado.

O pagamento de bônus para servidores das escolas levando em conta o desempenho no Idesp foi adotado pelo Estado de São Paulo a partir de 2009, no governo José Serra (PSDB). A política é criticada por especialistas, que afirmam não haver pesquisas que mostrem que ela melhora a educação.

Se não atingida a meta, é calculado o avanço da escola (se avançou, por exemplo, 50% da meta, o bônus é de 1,2 salário). As faltas dos profissionais também são consideradas no cálculo do bônus. A partir deste ano, o perfil socioeconômico das escolas também foi levado em conta para o pagamento. Segundo a Secretaria da Educação do Estado, esse índice leva em consideração a situação dos estudantes, como renda mensal familiar e casa própria.

Esse novo índice é usado no cálculo em conjunto com o Idesp, que leva em conta os resultados do Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (Saresp) em Matemática e Português, além de taxas de aprovação e abandono escolar. As escolas que não atingiram metas no Idesp não garantem o bônus, independentemente dos níveis socioeconômicos.

Consulta. Como o Estado revelou nesta semana, a qualidade da educação medida pelo Idesp caiu no ensino médio de 1,91 para 1,83 entre 2012 para 2013. No ciclo 2 do fundamental (6.º ao 9.º ano) ficou estagnado em 2,5. A rede registrou avanço nas escolas do ciclo 1 do fundamental (1.º ao 5.º ano), saltando de 4,28 para 4,42 e mantendo um ritmo de alta dos últimos anos.

A Secretaria da Educação ainda não divulgou oficialmente os dados do Idesp e os resultados Saresp. A pasta prometeu liberar hoje os boletins de cada escola para os professores consultarem os resultados que motivaram os bônus.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.