Luis Acosta/AFP
Luis Acosta/AFP

Governo de São Paulo quer vacinar crianças de 5 a 11 anos contra a covid-19 dentro das escolas

Segundo o secretário de Educação, Rossieli Soares, as instituições vão pedir carteira de vacinação contra covid, mas sem proibir acesso às aulas

Ana Paula Niederauer e Renata Cafardo, O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2022 | 13h49

O secretário de Educação do Estado de São Paulo, Rossieli Soares, quer vacinar as crianças de 5 a 11 anos contra a covid- 19 dentro das escolas públicas em parceria com os municípios, mediante autorização dos pais. Ao Estadão, Soares afirmou que pretende incentivar também a vacinação das crianças dentro das instituições de ensino particulares.

A decisão final cabe às secretarias municipais de Saúde, responsáveis pelo esquema de vacinação. O secretário de Saúde da capital, Edson Aparecido, disse ao Estadão que neste momento não é “viável” esse tipo de vacinação, com deslocamento das equipes de saúde. “Elas estão concentradas na vacinação e no atendimento de gripe e de covid, além disso as escolas não estão funcionando ainda.”

Aparecido afirmou também que foram aplicadas 24 milhões de doses nos postos de saúde da Prefeitura até agora e “não tem por que mudar isso na última hora”. Ele acredita que a vacina para crianças deve chegar ainda este mês.

Alguns municípios paulistas, como Campinas, já aplicaram o imunizante em colégios em adolescentes, de 12 a 18 anos. Na capital, isso ocorreu no fim do processo, para busca de quem ainda não tinha se vacinado. 

Em entrevista à Rádio Eldorado nesta terça-feira, 4, Rossieli disse que a escola tem um papel fundamental de conscientização e que "vacinar dentro da escola é um grande exemplo". "Nós reorganizamos o nosso início do calendário letivo para que os primeiros dias sejam de trabalho da escola, trabalhando com os próprios alunos a importância da vacinação e trabalhando com as famílias", disse Rossieli.

Para o presidente da Associação Brasileiras das Escolas Particulares (Abepar), Arthur Fonseca Filho, o incentivo do governo estadual para a realização da vacinação das crianças dentro da rede particular é muito bem-vindo. "Somos favoráveis que as escolas privadas realizem a vacinação das crianças. É conveniente que todas as crianças se vacinem", afirmou Filho.

Segundo o Rossieli, as escolas estaduais de São Paulo passarão a pedir a carteira de vacinação contra a covid após o início da campanha para crianças de 5 a 11 anos, mas não vão proibir o acesso às aulas de quem não apresentar o documento.“A carteira de vacinação já é exigida na matrícula. Vamos solicitar, sim, no momento devido. Mas não vamos proibir o aluno de ir à escola”, afirmou.

Rossieli criticou a demora do Ministério da Saúde em adquirir com a Pfizer as doses pediátricas e pediu aos pais que não acreditem em notícias falsas.“A vacina é segura”, ressaltou Rossieli.

Na manhã desta terça-feira, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que os pais poderão levar seus filhos para se vacinarem contra a covid-19 "se assim desejarem". A pasta realiza uma audiência pública sobre o tema e prevê divulgar o formato da campanha de imunização para esse público nesta quarta-feira, 5. Queiroga disse ainda que a "vacinação não tem relação com aula". 

"Nós teremos as doses, como todos já sabem e os pais podem, livremente, dentro do que o Ministério da Saúde estabelece e que eu espero que seja seguido por Estados e municípios, levarem seus filhos para vacinação se assim desejarem", disse Queiroga.

As escolas estaduais paulistas abrem hoje um período de recuperação que vai atender alunos até 21 de janeiro. O início do ano letivo está marcado para 02 de fevereiro e, de acordo com o secretário, não será condicionado à vacinação para não prejudicar os alunos. Nas particulares as aulas já devem começar desde 31 de janeiro.

O Brasil deve receber 3,7 milhões de vacinas infantis da Pfizer contra a covid-19 no mês de janeiro. Até o fim do primeiro trimestre, 20 milhões de doses chegarão ao País, no total, de acordo com fontes do governo ouvidas pelo Estadão/Broadcast.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o Brasil tem 20,5 milhões crianças entre 5 e 11 anos, ou seja, haveria como aplicar a primeira dose em toda essa  faixa etária até março. Já a quantidade a ser recebida em janeiro seria suficiente para imunizar, por exemplo, todas as crianças de 11 anos (2,8 milhões, segundo o instituto). /COLABOROU ÍTALO LO RE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.