Governo cria 16 cursos de especialização a distância para docentes

Convênio com USP, Unicamp e Unesp a a professores e gestores da rede estadual

Luciana Alvarez, O Estado de S.Paulo

29 Março 2010 | 20h43

O governo do Estado de São Paulo assinou hoje um convênio com USP, Unicamp e Unesp para oferecer cursos de especialização a distância a professores e gestores da rede estadual. Ao total serão 30 mil vagas entre o segundo semestre deste ano e 2012. Serão 16 cursos de diversas disciplinas para os docentes de ensino fundamental 2 (da 5.ª à 8.ª série) e ensino médio.

Segundo o governo, o investimento para o programa, chamado de Rede São Paulo de Formação Docente (Redefor), será de R$ 109 milhões.

A participação dos docentes é voluntária e os critérios de seleção serão divulgados no Diário Oficial a partir de maio. Só foi adiantado que a escolha vai privilegiar os professores de escolas que inscreverem equipes. Para incentivar as inscrições, os cursos contarão pontos na carreira do professor, o que pode ajudar na hora de conseguir bônus.

Segundo o governador de São Paulo, José Serra, o Redefor é um incentivo à reciclagem. "O programa é afinadíssimo com a nossa orientação à frente do governo do Estado em relação à educação, que está focalizada na sala de aula", afirmou durante a solenidade de lançamento do programa.

"Introduzimos a ideia de professores prestarem exames. Agora estamos oferecendo condições de aprimoramento", disse o secretário da Educação, Paulo Renato Souza.

 

Para o reitor da Unicamp, Fernando Ferreira Costa, as três universidades públicas estaduais de São Paulo estão cumprindo sua função social. "O trabalho fundamental da universidade é educar. Para que isso seja feito, é necessário que haja extensão do conhecimento produzido lá."

 

Na semana passada, o governador formalizou a criação do primeiro curso a distância em parceria com a USP - também voltado a professores da rede pública.

 

(Atualizado no dia 30/3/2010. Com correção em relação ao número de vagas)

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.