Governo admite que a China tem 116 milhões de analfabetos

O Governo chinês reconheceu um aumento do número de pessoas que não sabem ler ou escrever. Já são 116 milhões, informou nesta segunda-feira, 2, a imprensa estatal.O número de analfabetos na China cresceu 30 milhões entre 2000 e 2005, o que indica um aumento de 34%, mantendo o país como o segundo do mundo em número de iletrados, depois da Índia.Segundo o estudo publicado pelo jornal China Daily, um dos fatores que explicam este aumento é o fracasso dos programas de alfabetização de adultos, que beneficiaram 9,75 milhões de pessoas entre 2000 e 2005."Muitas das pessoas que tinham saído do analfabetismo esqueceram o que aprenderam", assinalou o jornal oficial.O excessivo otimismo dos Governos locais que, após ensinarem muitos adultos a ler e a escrever, fecharam as escolas e não mantiveram os programas de alfabetização, também influenciou.Guo Hongxia, do Instituto Nacional de Pesquisa Educacional, assinalou que se a pauta atual for mantida, a China não conseguirá cumprir os "Objetivos do Milênio" acordados com a ONU e a Unesco, que incluem a redução em 50% do número de analfabetos antes de 2015.Nos últimos anos acreditava-se que a maior parte da população analfabeta da China se encontrava no oeste, a zona mais pobre do país, mas a situação está aparentemente mudando, e apenas um terço dos iletrados (cerca de 40 milhões) está nessas zonas mais remotas.EducaçãoO nível de alfabetização na China é medido pelo número de caracteres chineses que um cidadão é capaz de ler e escrever. Uma pessoa que sabe menos de 1.500 (número que geralmente é ensinado a um estrangeiro num curso de seis meses) é considerada iletrada.A China estabelece um período de nove anos de educação obrigatória, que inclui o ensino primário e parte do ensino médio.Pequim prometeu destinar US$ 13 milhões a novas campanhas de alfabetização, o que implicaria em multiplicar por 12 o orçamento estabelecido anteriormente.

Agencia Estado,

02 de abril de 2007 | 04h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.