Gil propõe parceria para Universidade do Recôncavo

O ministro da Cultura, Gilberto Gil, apresentou ao ministro da Educação, Tarso Genro, um projeto de parceria para a construção da Universidade do Recôncavo Baiano, em Cachoeira (BA), a 110 km de Salvador. A idéia é que a universidade, que vai ocupar um imóvel antigo, seja um instrumento de revitalização do Centro Histórico da cidade. O programa Monumenta, do Ministério da Cultura, será responsável pela recuperação do imóvel, que ocupa um quarteirão da cidade de Cachoeira, tombada como Patrimônio Mundial da Humanidade. "O local tem economia fraca, restrita à economia agrária e ao comércio, sem condições de recuperar seus imóveis", disse o secretário-executivo do Ministério da Cultura, Juca Ferreira, que também participou da reunião.A construção de uma universidade em Cachoeira será para "criar formas de uso do imóvel, que dêem condições de sustentabilidade à região. "Não adianta financiar a restauração, sem criar condição de ter um uso sustentável. A universidade deverá ser um fator de desenvolvimento humano", afirmou o coordenador nacional do Monumenta, Luiz Fernando de Almeida.Se aprovada, a nova universidade será, inicialmente, uma unidade avançada da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e irá atender, "em primeiro lugar, a área de ciências humanas, mas pode se estender a outras áreas técnicas ligadas à região, como agronomia", informou o ministro Gilberto Gil. O objetivo é que, com o tempo, "ela se desenvolva e se torne uma universidade autônoma", disse ele. Para recuperar o quarteirão onde está situado o imóvel, o Monumenta precisará investir R$ 4 milhões. "Cachoeira é o maior desafio que se tem de recuperação de sítios históricos no Brasil. É o conjunto em pior estado de conservação e, por isso, uma prioridade do Ministério da Cultura", ressaltou o coordenador do Monumenta. Hoje, o programa investe R$ 20 milhões em Cachoeira.Um grupo de trabalho formado pelos dois ministérios irá estudar o projeto, que terá que ser aprovado pelo Congresso Nacional.Monumenta O programa Monumenta é responsável pela restauração de obras do patrimônio histórico brasileiro e desenvolve atualmente projetos em 26 cidades. Até o final de 2006, todas as obras em andamento deverão estar concluídas. Metade do valor da restauração é paga pelo Ministério da Cultura. A outra metade é custeada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Até o final de 2006, o investimento em restaurações será de US$ 125 bilhões. As informações são da Radiobrás.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.