Vale/Divulgação
Vale/Divulgação

Gigantes brasileiras recebem jovens de outros países em programas de trainee

Assim como algumas multinacionais com filial no Brasil têm enviado os seus trainees para o exterior, companhias brasileiras também estão recebendo jovens de outros países para aprender sobre a cultura de negócio do País.

Estadão.edu

20 Agosto 2011 | 15h44

Em 2011 a Andrade Gutierrez fará pela primeira vez um treinamento simultâneo de jovens selecionados no Brasil, na América Latina e em Portugal. Durante o processo, os "forasteiros" virão para o País a fim de aprender mais sobre a cultura da companhia e tentar padronizá-la nos mercados em que o grupo atua. “Treinar fora não é só treinamento, é conhecer o que o profissional pode vivenciar na empresa durante a carreira”, diz Maria Isabel Albernaz, gerente de Gente e Gestão da empresa.

Na Camargo Corrêa, a participação de estrangeiros também será uma novidade este ano. O programa terá 11 trainees internacionais, que vão usar a mesma rede social dos brasileiros durante do treinamento. Serão três participantes da Venezuela, três da Argentina, três de Moçambique e dois do Peru. Eles se somarão às 25 vagas destinadas aos que vivem no Brasil.

Na Vale, o programa começou no ano passado, quando quatro profissionais do exterior vieram ao Brasil. Em 2011 já são onze participantes, aumento que visa a acompanhar a expansão da empresa. “O programa reforça o networking interno e a troca cultural, que em uma empresa global é muito importante. Os trainees brasileiros aprendem sobre os países com os quais vão se relacionar durante a carreira e os estrangeiros conhecem a cultura brasileira de negócios”, diz Carla Gama, diretora de Educação e Gestão de Talentos da Vale.

Aos 21 anos, a australiana Nastassia Law é formada em Administação e trainee da Vale na diretoria da Estrada de Ferro Vitória-Minas. “Sempre quis vir ao Brasil. Gosto muito de viajar, de conhecer novas culturas.” Outro que encarou o desafio é o moçambicano Simão Muhorro, de 22, que também está passando uma temporada no País. “Para você ser um profissional diferenciado, tem de levar em consideração os aspectos culturais de outros países.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.