Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Gestão Doria já admite não zerar fila das creches no primeiro ano

Futuro secretário da Educação, Alexandre Schneider, diz que administração fará o que 'o orçamento permitir'; prioridade será ampliar matrículas por convênios

Adriana Ferraz e Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

24 Novembro 2016 | 13h43

SÃO PAULO - Apresentado na manhã desta quinta-feira, 24, como o secretário de Educação da gestão João Doria (PSDB),  o ex-titular da pasta na gestão Gilberto Kassab (PSD), Alexandre Schneider, já admitiu que a promessa de campanha do  prefeito eleito em zerar a fila de creches pode não ser cumprida.

"Vamos gerar o maior número possível de vagas, naquilo que o orçamento garantir", disse. "Vou trabalhar para zerar a fila. Se puder zerar em um ano, será em um ano, se será em dois, será em dois."   

Schneider afirmou que "a prioridade será ampliar o número de matrículas por meio de convênios". "As crianças não podem esperar a gente construir as unidades."

Ele reformou a promessa de Doria de criar agências reguladoras para fiscalizar a atuação de organizações sociais na gestão de equipamentos públicos, como as entidades que mantêm as creches.

   

Doria completou nesta quinta-feira o anúncio dos 22 secretários que vão compor seu governo.  A lista não inclui o controlador-geral do município,  que com Doria perderá o status de secretário. O novo escolhido terá de se reportar ao secretário de Negócios Jurídicos, Anderson Pomini.  "A Controladoria irá continuar, valorizada", disse o prefeito eleito. 

Outro nome anunciado por Doria foi o da pastora Patrícia Bezerra,  vereadora pelo PSDB, para a pasta de Direitos Humanos e Cidadania, que  tem entre suas funções a gestão de programas como o Transcidadania, voltado para a população transexual. A pastora prometeu que o programa será ampliado.  

Durante a apresentação dos secretários, Doria se recusou a responder a quatro perguntas feitas por jornalistas. Uma delas foi sobre loteamento de cargos no governo, uma vez que ele puxou cinco vereadores eleitos para seu secretariado. A outra era sobre as relações de conselhos gestores das secretarias, que ele pretende criar, com os conselhos já existente na cidade. O prefeito eleito justificou a recusa afirmando que as perguntas, na manhã desta quinta-feira, deveriam ser feitas só para o secretariado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.