Fuvest terá mais alunos vindos da escola pública

Número de candidatos que cursaram o ensino médio em unidades municipais, estaduais ou federais cresce 30%; total de inscritos é 10% maior que em 2010

Estadão.edu

01 Outubro 2011 | 00h14

O número de candidatos inscritos no vestibular da Fuvest que cursaram o ensino médio em escolas públicas aumentou 30% em relação à edição passada. Neste processo seletivo, serão 49.104 os ex-alunos da rede pública municipal, estadual ou federal. Em 2010, esse número havia sido de 37.725.

 

A cifra geral de inscritos também cresceu: é 10,47% maior em relação à de 2010. Ao todo, 146.885 alunos disputarão 10.852 vagas nos cursos de graduação da Universidade de São Paulo (USP) e 100 na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa.

 

Há pendências bancárias ligadas à inscrição. Por isso, o número de candidatos pode sofrer ajustes. No ano passado, 132.969 pessoas prestaram o vestibular.

 

No site fuvest.br, os vestibulandos podem imprimir os dados de inscrição, para identificar os locais de prova, e consultar o manual do candidato.

 

A relação candidato/vaga de todas as carreiras será divulgada após a realização das provas de habilidades específicas de Música e Artes Visuais. Os exames serão aplicados entre 9 e 14 de outubro (mais informações nesta página). Os estudantes reprovados nessas avaliações poderão optar por outros cursos.

 

Mudanças. O Conselho de Graduação (CoG) da USP aprovou neste ano cinco mudanças que deixam o processo da Fuvest mais difícil. A nota da primeira fase volta a valer na pontuação final; a nota mínima para a segunda etapa subiu de 22 para 27 pontos; e serão aprovados para a segunda fase de dois a três candidatos por vaga - e não mais três.

 

Além disso, o número de questões da prova do segundo dia da segunda fase foi reduzido de 20 para 16 e foi criada a possibilidade de escolha de outra carreira a partir da terceira chamada.

 

Em março, o CoG havia aprovado outras duas propostas: um novo programa de inclusão que aumenta a bonificação de alunos oriundos da rede pública de até 12% para até 15%, mediante o desempenho na primeira fase; e a autenticação das informações prestadas na inscrição da Fuvest, para identificar candidatos com ensino médio incompleto inscritos em carreiras específicas - e não como treineiros.

 

Treineiros em separado. Uma outra mudança anunciada pela Fuvest é o aumento de 250 para 300 do número de vagas para carreiras de treineiros. São oferecidas três carreiras fictícias para esses candidatos, nas áreas de Exatas, Humanas e Biológicas. Com essa medida, a USP espera reduzir o número de classificados nas novas listas.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.